Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Chile

Notícia da edição impressa de 12/03/2018. Alterada em 11/03 às 21h19min

Piñera retorna à presidência com promessa de reativar economia

Sebastian Piñera herda economia em desaceleração da antecessora Michelle Bachelet

Sebastian Piñera herda economia em desaceleração da antecessora Michelle Bachelet


Claudio Reyes/AFP/JC
O conservador Sebastian Piñera foi empossado ontem presidente do Chile, prometendo reativar a economia do país, que desacelerou durante o governo da líder de centro-esquerda, Michelle Bachelet.
O empresário bilionário priorizou o crescimento, que foi em média de 5,3% ao ano, durante o seu primeiro período frente à presidência, de 2010 a 2014. Ele foi auxiliado por políticas favoráveis às empresas, aumento dos preços do cobre, principal produto de exportação, e um enorme esforço de reconstrução após um terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o país pouco antes de assumir o cargo.
Uma queda nos preços do cobre ajudou a agravar o segundo mandato de Bachelet como presidente, com a economia em queda durante os anos de 2014 e 2015. Piñera, cujo primeiro mandato acabou com 20 anos de governos esquerdistas, disse que espera trabalhar com rivais de centro-esquerda para alcançar seus objetivos, mas também enfrenta um desafio de reunir sua própria coalizão, considerada frágil em alguns momentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia