Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Coreia

06/03/2018 - 10h22min. Alterada em 06/03 às 12h07min

Líderes sul e norte-coreanos farão cúpula no final de abril

Kim Jong Un (esquerda) aperta a mão de Chung Eui-yong durante acordo para cúpula

Kim Jong Un (esquerda) aperta a mão de Chung Eui-yong durante acordo para cúpula


STR/KCNA VIA KNS/AFP/AFP/JC
A Coreia do Sul informou nesta terça-feira (6) que chegou a um acordo com a Coreia do Norte para realizar uma cúpula no fim de abril. O escritório da presidência de Seul informou que os dois países concordaram também em estabelecer uma linha telefônica direta entre os dois líderes. O líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente sul-coreano, devem se reunir no vilarejo de Panmunjon.
O diretor de segurança nacional da presidência sul-coreana, Chung Eui-yong, afirmou que a Coreia do Norte também deixou claro que não tem a necessidade de manter suas ameaças nucleares, caso as ameaças militares contar o país sejam resolvidas e ele receba uma garantia de segurança digna de crédito. As declarações foram dadas horas após a delegação sul-coreana liderada por Chung retornar de uma visita à Coreia do Norte, onde ela se reuniu com o líder norte-coreano, Kim Jong Un.
A Coreia do Sul afirmou ainda que o vizinho irá suspender todos os testes de armas durante o diálogo. Segundo Seul, o regime de Pyongyang está disposto a manter "conversas honestas" com os Estados Unidos sobre armas nucleares e a normalização das relações. O país tem ainda a "clara intenção de se desnuclearizar", de acordo com o governo sul-coreano. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia