Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 13/03 às 09h29min

Outono deve ser de pouca chuva no Rio Grande do Sul

Falta uma semana para a chegada do outono, que estreia em 20 de março

Falta uma semana para a chegada do outono, que estreia em 20 de março


GILMAR LUÍS/JC
Faltando uma semana para a chegada do outono, às 13h14min de 20 de março, a atenção dos brasileiros já se volta para a previsão das temperaturas e do volume de chuvas para os próximos três meses. O outono também marca o equinócio, fenômeno astronômico no qual o sol atinge, com maior intensidade, regiões próximas à linha do Equador. No Brasil, a estação representa o fim do calorão e a chegada de temperatura mais amenas, com a queda das folhas das árvores.
Em coletiva de imprensa on-line, o meteorologista Alexandre Nascimento, da Climatempo, explica que, para a Região Sul, espera-se chuva bem abaixo da média. Com relação à temperatura, o mês de abril ainda deve ser quente, e o frio só chega mesmo em maio, permanecendo durante todo o mês de junho. "Abril deve ser mais quente que o normal para o outono, mas não tão quente quanto o mês de março. Já o frio previsto para maio e junho não deve ser tão intenso", pondera, apostando que o outono de 2018 será parecido com o do ano passado. O ideal é que os gaúchos não esperem um outono tão rigoroso como o de 2013, tampouco uma estação quente como a registrada em 2014 e 2015.
A justificativa para a queda no volume de chuva é o enfraquecimento do La Niña, fenômeno oposto ao El Niño que consiste na diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental. Essa alteração provoca um aquecimento gradativo nos próximos meses, o que quer dizer que, apesar de regular, deve chover menos do que o normal. Além disso, a previsão climática para a Região Sul, divulgada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para março, abril e maio, indica maior probabilidade de chuva abaixo do normal.
A última semana do verão começou com altas temperaturas no Rio Grande do Sul. Nesta segunda-feira, a mínima, de 8,7 graus, foi registrada em Bagé, e a máxima, de 29 graus, em Santa Rosa. Em Porto Alegre, a mínima foi de 16,5 graus, e a máxima, de 24,7 graus. Para hoje, a previsão é de chuva e de trovoadas no Norte, com temperaturas variando entre 10 e 31 graus em todo o Estado. Na Capital, não chove, e os termômetros variam entre 18 e 26 graus.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia