Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

12/03/2018 - 17h06min. Alterada em 12/03 às 17h28min

MEC vai propor referência para construção dos currículos de licenciatura

Agência Brasil
O Ministério da Educação deve apresentar ao Conselho Nacional de Educação (CNE) até o fim do ano uma proposta para que haja uma referência para a construção dos currículos de licenciatura no país. O CNE está discutindo mudanças nos cursos de licenciatura, e a ideia é que haja um maior equilíbrio entre eles, disse Rossieli Soares da Silva, secretário de Educação Básica do MEC.
"Por exemplo, a pedagogia tem muitas disparidades. Se você pegar o currículo de uma universidade do Ceará, de Brasília, de Manaus, de São Paulo, você vai ver diferenças muito grandes. Tem algumas coisas que são básicas, que o professor precisa sair de lá sabendo. A Base Nacional Comum Curricular ajuda com uma parte, mas tem algumas coisas de pratica pedagógica que umas tem muito, outras tem pouco, é preciso buscar um equilíbrio", disse Rossieli durante reunião do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), em Fortaleza.
Rossieli disse também que o MEC está dando prioridade para alunos de cursos de licenciatura e pedagogia em programas de financiamento como o Universidade para Todos (Prouni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). "Se tiver limite de vaga, se prioriza os pedidos de bolsa para esses cursos. A gente analisa a cada ano, depende da procura", explicou.
O secretário aproveitou para pedir que estados e municípios trabalhem juntos na implantação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a educação infantil e ensino fundamental. "A nossa ideia é que se construa em regime de colaboração o currículo do estado junto com os municípios. É impossível para o Ministério da Educação colocar uma equipe de currículo em cada município. Além do mais, entendemos que o currículo não tem que vir de fora, ele tem que ser das próprias redes, mesmo que não saiba elaborar o currículo, então que a gente ajude na formação de como fazê-lo".
Rossieli disse aos secretários que o MEC deve promover neste ano um programa de intercâmbio de informações para ajudar estados que estão tendo dificuldades na implantação do tempo integral em escolas de ensino médio. "Sempre em processo de imersão, acompanhando o dia a dia do professor, dos alunos, quais são as dificuldades", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia