Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Direitos Humanos

08/03/2018 - 13h41min. Alterada em 08/03 às 13h41min

Greve Internacional de Mulheres tem mais de 60 atos no Brasil nesta quinta

Em Porto Alegre, movimentos sociais esperam reunir 2 mil mulheres nas manifestações

Em Porto Alegre, movimentos sociais esperam reunir 2 mil mulheres nas manifestações


Fredy Veira/JC
Feministas de mais de 50 países organizam greves gerais durante o Dia Internacional da Mulher, nesta quinta-feira, 8 de março, pelo segundo ano consecutivo. Também chamada de 8M, a Greve Internacional de Mulheres tem manifestações previstas em mais de 60 cidades brasileiras, inclusive em capitais como São Paulo, Rio e Brasília.
Em Porto Alegre, militantes de diversos movimentos estão nas ruas para participar da marcha. A largada da caminhada ocorreu na Rodoviária da Capital a partir das 8h, mas desde as 7h já havia concentração para o protesto. Segundo Silvia Reis Marques, diretora nacional do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem terra (MST), a expetativa é de somar mais de 2 mil mulheres na ação.
Em todo o País, as manifestações reivindicam igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres."Se nossas vidas não importam, produzam sem nós" e "Solidariedade é a nossa arma" são dois dos lemas do movimento, divulgados pela página 8M Brasil no Facebook.
Uma das administradoras da página, a sanitarista Lara Werner, de 36 anos, acredita que a greve geral terá tamanho igual ou maior do que a de 2017 no Brasil. Segundo ela, a quantidade de eventos previstos para esta quinta-feira ainda está crescendo, como ocorreu no ano anterior.
Segundo Lara, o movimento ocorre no País "da maneira mais horizontal possível", de modo que os eventos são organizados de forma local, em cada cidade. Em São Paulo, está previsto um ato para as 15h desta quinta-feira, com concentração no Theatro Municipal, na região central. No Rio, por sua vez, as manifestantes começarão a se reunir por volta das 16h em frente à Igreja Nossa Senhora da Candelária, no centro.
Com informações da Estadão Conteúdo
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia