Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Inter

Alterada em 12/03 às 14h52min

Inter promete punir torcedor que agrediu repórter no Beira-Rio

Folhapress
A Justiça ainda não tem a identificação do torcedor do Internacional que agrediu a jornalista Renata de Medeiros, do Grupo RBS, antes do clássico com o Grêmio do último domingo (11). O ato ocorreu pouco antes da bola rolar e foi registrado por ela em vídeo.
Logo após a partida, o Inter divulgou nota informando que o agressor havia sido encaminhado ao Juizado Especial Criminal (Jecrim) do Beira-Rio. No entanto, o responsável pelo local, Marco Aurélio Xavier, disse à reportagem que isso não aconteceu.
O time colorado retificou a informação dizendo que todos os registros de imagem do torcedor no estádio estão sendo analisados e, de fato, ele não foi encaminhado diretamente ao Jecrim. A reportagem apurou que ele foi retirado do estádio pelos seguranças do jogo, mas o local de destino é incerto.
O comando de segurança do Internacional uniu imagens de toda movimentação do torcedor durante o clássico. Está atrás da identificação dele, que se dá através da entrada na catraca, onde fica registrada a carteirinha que foi utilizada.
Se sócio, o clube promete as ações cabíveis contra ele, como suspensão do quadro ou exclusão. Se ele não for sócio, a Justiça se encarrega da pena, que pode ir desde afastamento de estádios até indenização. Ainda no domingo foi registrado Boletim de Ocorrência na Delegacia do Torcedor contra o agressor.
Renata preferiu não se manifestar logo de cara e ganhou apoio da RBS. À reportagem, a empresa disse estar dando todo suporte necessário para sua funcionária. A informação de que havia orientado ela a não se manifestar foi rechaçada pela empresa, que disse que a opção pelo silêncio partiu da jornalista.
Outro caso que chamou atenção na partida foi de torcedores colorados fazendo gestos obscenos para mulheres gremistas em um dos camarotes.
O caso também é tratado como prioridade no Inter, que pretende identificar e punir os protagonistas com o mesmo procedimento de avaliação de imagem e registro feito através da entrada no estádio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia