Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 14/03 às 10h23min

Taxas de juros de curto e médio prazos sobem com exterior

Os juros futuros de curto e médio prazos mostram viés de alta nesta quarta-feira (14) em meio a ajustes, mas seguem precificando mais um corte de 0,25 ponto da taxa Selic, na próxima semana. Estão no radar as incertezas políticas nos Estados Unidos e um viés de alta dos juros dos Treasuries de curto e médio. As taxas futuras mais longas seguem nos mesmos níveis dos ajustes anteriores.
Nos Estados Unidos, mais cedo, foi divulgado que as vendas no varejo caíram 0,1% em fevereiro ante janeiro, contrariando a previsão de alta de 0,3%. O índice de inflação ao produtor (PPI) subiu 0,2% em fevereiro ante janeiro, acima da previsão de +0,1%. Já o núcleo do PPI subiu 0,2% em fevereiro ante janeiro, como previsto.
Os dados reforçam a percepção de gradualismo nos juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), e, por isso, ajudam a enfraquecer o dólar no exterior e ante o real, disse o operador de uma corretora. Com a agenda econômica local mais fraca, estão no radar o relatório mensal sobre petróleo da Opep (9h50min) e os estoques de petróleo bruto do Departamento de Energia dos EUA (DOE) (11h30min).
No mercado doméstico, será monitorado o 13º Fórum Econômico Mundial da América Latina, em São Paulo, que terá a participação de potenciais presidenciáveis, como o governador Geraldo Alckmin e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (15h30min); e o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro (15h30min).
Às 9h38min desta quarta-feira (14), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2019 estava em 6,490%, de 6,459% no ajuste de terça (13). O DI para janeiro de 2020 tinha taxa de 7,32%, na máxima, ante 7,29% do ajuste da véspera. O DI para janeiro de 2021 estava a 8,20%, de 8,19% no ajuste anterior. E o DI para janeiro de 2023 seguia em 9,10%, igual ao ajuste de terça (13).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia