Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 13/03 às 22h03min

Dólar recua ante rivais em meio a sinais de inflação morna nos EUA

Nesta terça-feira (13), o dólar recuou na comparação com algumas de suas principais rivais, diante de sinais de inflação morna nos Estados Unidos e incerteza política após a saída anunciada do secretário de Estado, Rex Tillerson.
No fim da tarde em Nova Iorque, o euro subia para US$ 1,2390, de US$ 1,2336 na tarde de ontem; a libra subia US$ 1,3966, de US$ 1,3903; e o dólar operava praticamente estável ante o iene, subindo para 106,48 ienes, de 106,41 ienes.
A moeda americana passou a cair depois que o governo americano informou que o índice de preços ao consumidor americano subiu 2,2% no ano encerrado em fevereiro, abaixo da perspectiva do mercado.
Os dados de hoje vieram após um relatório de emprego da semana passada que mostrou avanço apenas moderado dos salários, atenuando preocupações de um ritmo mais acelerado de aperto monetário pelo Federal Reserve (Fed, o BC americano)
Juros maiores tendem a impulsionar o dólar, que fica mais atrativo para investidores em busca de rendimentos. A divisa americana recuou ainda mais depois da notícia de que Tillerson deixaria o governo. "Instabilidade política pesa no dólar", disse Mazen Issa, estrategista da TD Securities.
Na CME, o bitcoin para março fechou em alta de 1,79%, a US$ 9.070,00.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia