Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições

Notícia da edição impressa de 14/03/2018. Alterada em 13/03 às 21h48min

Meirelles apresenta nomes para sucedê-lo na Fazenda

Decisão de Henrique Meirelles precisa ser tomada em até 15 dias

Decisão de Henrique Meirelles precisa ser tomada em até 15 dias


/JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, apresentou no domingo, dia 11, ao presidente Michel Temer os nomes de seus secretários Mansueto Almeida (Acompanhamento Fiscal) e Eduardo Guardia (Executivo) para sucedê-lo na pasta caso decida disputar o Palácio do Planalto.
Temer já havia sinalizado ao ministro que ambos articulariam juntos sua eventual substituição, mas essa foi a primeira vez que houve um debate concreto sobre assunto, durante reunião no Palácio do Jaburu.
O movimento mais assertivo de Meirelles, porém, não define sua candidatura - o presidente não garantiu que o ministro poderá concorrer à sua sucessão pelo PMDB e a decisão do chefe da equipe econômica sobre disputar ou não a eleição de outubro deve ser tomada nos próximos 15 dias.
O ministro tem medo de deixar o cargo para viajar pelo País e tentar aumentar seus números nas pesquisas - hoje ele aparece com apenas 2% - e, em julho, Temer decidir ser candidato à reeleição. A jogada inviabilizaria o projeto eleitoral de Meirelles e o deixaria em uma espécie de limbo político: estaria fora do governo e filiado a uma sigla que não deu sustentação para sua candidatura.
Com o calendário mais flexível - ao contrário do ministro, o presidente não precisa deixar o cargo até abril se quiser se candidatar -, Temer foi evasivo em suas análises sobre as eleições e ainda ponderou que o ministro Dyogo Oliveira (Planejamento) também aparece entre os cotados para a Fazenda, com o apoio do presidente do PMDB e líder do governo no Senado, Romero Jucá. Apesar disso, auxiliares afirmam que o presidente vai permitir que Meirelles escolha seu substituto caso deixe o posto para concorrer ao Planalto.
Meirelles deve marcar um encontro com Jucá ainda esta semana para sentir a temperatura da indicação e discutir sua possível filiação ao PMDB. O ministro disse a Temer e ao ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral), que também estava na reunião de domingo, que seu desejo é ser o candidato do partido à presidência, mas ouviu, mais uma vez, que eles não podem garantir a vaga de antemão.
Meirelles está conversando com seus auxiliares próximos antes de bater o martelo sobre sua candidatura. Ele já disse que tem disposição de defender o legado de Temer e ser o nome do governo na disputa, mas esbarrou no desejo do próprio presidente de ser esse candidato.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia