Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Pesquisa

Notícia da edição impressa de 14/03/2018. Alterada em 13/03 às 22h35min

Brasil ganha novos milionários

Ricos com mais de US$ 50 milhões na conta são 2,3 mil no País

Ricos com mais de US$ 50 milhões na conta são 2,3 mil no País


/MARCOS SANTOS/USP IMAGENS/IMAGENS PÚBLICAS/JC
O número de milionários no Brasil volta a subir, depois de um período de queda que coincidiu com a recessão no Brasil. Em um informe publicado ontem, a consultoria Knight Frank apontou que o País contava, ao final do ano passado, com 43,7 mil pessoas com uma fortuna superior a US$ 5 milhões.
Em 2012, o total de milionários brasileiros somava 58,3 mil pessoas. Mas o número caiu para 34 mil em 2016, em parte também por conta da desvalorização do dólar. A recuperação de 28% em apenas um ano deu ainda uma indicação aos especialistas de que essa tendência de alta pode ser mantida e que, até 2022, 54,7 mil brasileiros poderão ser considerados como milionários.
O número de brasileiros com uma fortuna acima de US$ 50 milhões também cresceu. Eles eram 3,2 mil em 2012. Mas o total caiu para 1,8 mil em 2016. Ao final do ano passado, essa taxa já era de 2,3 mil.
No mundo, o aumento de milionários foi de 9% em 2017, atingindo um total de 2,5 milhões de pessoas. Uma das expansões mais fortes foi a dos russos, com uma alta de 30%, chegando a 38 mil. Em termos regionais, a América do Norte continua liderando em número de ricos, com 44 mil pessoas com uma renda superior a US$ 50 milhões. Mas a Ásia já superou a Europa na segunda colocação, com 35,8 mil pessoas nessa situação financeira. Até 2022, o continente asiático deve se aproximar aos números dos norte-americanos.
A previsão é de que o número de "ultrarricos" na China dobre em apenas cinco anos. Hoje, são 207 mil pessoas com ativos acima de US$ 5 milhões. Em 2022, esse número irá superar a marca de 425 mil. Os norte-americanos, porém, continuarão a liderar, com 1,1 milhão de pessoas nessa categoria.
O estudo que aponta para um mercado em expansão para a gama de luxo e imobiliário não faz qualquer tipo de referência à concentração de renda, denunciada por ONGs como Oxfam e outras nos últimos anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia