Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 14/03/2018. Alterada em 14/03 às 18h30min

Exportações da indústria do Rio Grande do Sul têm forte alta

Plataforma P-74, da Petrobras, no valor de US$ 1,53 bilhão, ajudou a turbinar vendas externas gaúchas

Plataforma P-74, da Petrobras, no valor de US$ 1,53 bilhão, ajudou a turbinar vendas externas gaúchas


/Sadi Machado/Divulgação/JC
O resultado das exportações gaúchas revela uma grande expansão em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. As vendas externas totais cresceram 219,5%, somando US$ 2,98 bilhões, nesse caso contabilizando uma plataforma de petróleo e gás (P-74), no valor de US$ 1,53 bilhão. A influência exercida sobre o resultado da indústria também foi acentuada ( 221%, totalizando US$ 2,72 bilhões). Mesmo se a operação com a plataforma não fosse considerada, o incremento dos embarques do setor secundário gaúcho ainda teria sido bastante alto: 40% de elevação, alcançando US$ 1,19 bilhão.
Como consequência, fevereiro fechou com o maior nível de vendas externas industriais para o mês de toda a série histórica, iniciada em 1996, e a taxa mais acelerada de crescimento nessa base de comparação desde janeiro de 2005 (42,1%). Além de outros equipamentos de transporte (77.200%, graças à venda da plataforma), destacaram-se máquinas e equipamentos (285,7%). Neste setor, as contribuições mais importantes vieram com a venda não recorrente de compressores de gases (US$ 84,9 milhões) e de máquinas e aparelhos mecânicos com função própria (US$ 44,6 milhões) para a China. Celulose e papel (172,7%), tabaco (55,1%), alimentos (14,8%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (35,4%) igualmente apresentaram desempenho significativo para as exportações gaúchas. Por outro lado, as categorias de materiais elétricos (-23,5%) e couro e calçados (-2,6%) registraram as maiores quedas.
Já as importações totais subiram 22,7%, totalizando US$ 900 milhões no segundo mês de 2018. Nos produtos por categoria de uso, todos os segmentos tiveram aumento: bens de consumo (75%), bens intermediários (13%), combustíveis e lubrificantes (44,9%), e bens de capital (5,6%). A recuperação em curso da atividade industrial e o otimismo do empresariado ajudam a explicar esse resultado.
No acumulado do primeiro bimestre de 2018, as exportações gaúchas foram de US$ 4,27 bilhões, alta de 112,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Desse total, a indústria foi responsável por US$ 3,78 bilhões ( 115,9%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia