Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

13/03/2018 - 09h43min. Alterada em 13/03 às 15h58min

Vendas do varejo sobem 0,9% em janeiro ante dezembro, revela IBGE

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 3,2% no ano

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 3,2% no ano


CLAITON DORNELLES /JC
As vendas do comércio varejista subiram 0,9% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira (13), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com janeiro de 2017, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 3,2% em janeiro de 2018. 
As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 3,2% no ano. No acumulado em 12 meses, houve avanço de 2,5%. Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 0,1% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal. 
No Rio Grande do Sul, o setor avançou 1,7% entre dezembro e janeiro e 7,2% frente ao mesmo mês de 2017. O varejo ampliado teve avanço maior, de 9%, no confronto entre os dois mesmos meses de 2017 e 2018.
Na comparação com janeiro de 2017, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 6,5% em janeiro de 2018. Nesse confronto, as projeções variavam de uma expansão de 1,8% a 9,0%, com mediana positiva de 6,60%. As vendas do comércio varejista ampliado acumularam alta de 6,5% no ano. Em 12 meses, o resultado foi de avanço de 4,6%, segundo o IBGE.
O varejo registrou crescimento em cinco das oito atividades pesquisadas na passagem de dezembro de 2017 para janeiro de 2018. Os avanços mais relevantes foram observados em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,3%) e em Outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,8%), ambos compensando os recuos registrados no mês anterior de, -1,7% e -7,2%, respectivamente.
Os demais acréscimos ocorreram em Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (3,7%); Tecidos, vestuário e calçados (0,9%); e Livros, jornais, revistas e papelarias (0,3%). Na direção oposta, houve recuo em Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-2,5%); Móveis e eletrodomésticos (-2,3%); e Combustíveis e lubrificantes (-0,3%).
No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, houve ligeira queda de 0,1% em janeiro ante dezembro. As vendas de Veículos e motos, partes e peças tiveram avanço de 3,8%, enquanto Material de construção registrou declínio de 0,2%.
As vendas dos supermercados subiram 3,1% em janeiro, na comparação com o mesmo mês de 2017, dando a maior contribuição positiva para o avanço de 3,2% registrado pelo varejo no período, de acordo com os dados do IBGE. Em relação a janeiro do ano passado, seis das oito atividades registraram melhora em janeiro deste ano. Além de supermercados, houve expansão significativa também em Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-10,5%).
Os demais avanços ocorreram em Móveis e eletrodomésticos (5,3%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (5,4%); Tecidos, vestuário e calçados (0,2%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (4,2%). Na direção oposta, houve perdas em Combustíveis e lubrificantes (-4,0%); e Livros, jornais, revistas e papelaria (-7,3%).
No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, as vendas cresceram 6,5%. O setor de veículos e motos, partes e peças avançou 18,2%, enquanto material de construção subiu 7,3%. "O movimento de veículos reflete não só o consumo das famílias, mas também alguma melhora do atacado", disse Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia