Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 13/03 às 09h02min

Venda da fatia da Petrobras na Bacia de Campos é aprovada nesta terça-feira

Compra da plataforma no Campo de Roncador deve ser realizada pela empresa norueguesa Statoil

Compra da plataforma no Campo de Roncador deve ser realizada pela empresa norueguesa Statoil


AG/DIVULGAÇÃO/JC
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a venda de 25% de participação que a Petrobras detém no Campo de Roncador, na Bacia de Campos, para a norueguesa Statoil. A decisão foi divulgada em despacho publicado na edição desta terça-feira (13) do Diário Oficial da União (DOU).
O negócio foi anunciado em dezembro passado pelo valor de US$ 2,9 bilhões. "Os investimentos futuros neste campo serão realizados na proporção 2:1, com a Statoil assumindo 25% adicionais, limitados a US$ 550 milhões, além da sua participação adquirida. A Petrobras continuará como operadora do campo, com a participação de 75%", informou comunicado da estatal brasileira.
O Campo de Roncador está ativo desde 1999, mas, de acordo com as empresas, a sua produção está em declínio e é, em média, atualmente, de 6.223.314 m3 de gás/dia e 244.525 barris de petróleo/dia, o que representa 7% da produção nacional de gás natural e 11% da produção nacional de petróleo.
Em parecer do Cade sobre o negócio, a Petrobras diz que a operação traz para a empresa a oportunidade de gerar caixa e financiar projetos prioritários no Brasil. Já a norueguesa afirma que a aquisição se justifica pela expansão de sua presença no mercado relevante e fortalecimento dos seus planos de produção e exploração no Brasil, assim como pela possibilidade de aumentar a quantidade de óleo extraído no Roncador - "processo que envolverá o compartilhamento de conhecimentos técnicos, pessoal e tecnologia entre as empresas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia