Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/03 às 19h44min

Bolsas de Nova Iorque sobem após Trump sugerir flexibilidade na tarifação de metais

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em alta nesta quinta-feira (8), revertendo as perdas de ontem, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizer que a tarifação sobre as importações de aço e de alumínio no país deve poupar alguns aliados.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,38%, aos 24.895,21 pontos; o S&P 500 subiu 0,45%, para 2.738,97 pontos; e o Nasdaq avançou 0,42%, para 7.427,95 pontos.
Grandes índices flutuaram perto da estabilidade na maior parte da sessão e então subiram na última hora de negociações, após o governo americano dizer que países como México e Canadá, que atualmente negociam uma revisão do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), serão isentos das tarifas. Ele também deixou a porta aberta para negociação com alguns aliados.
Na semana passada, os índices recuaram em meio a temores que a tarifação proposta por Trump pudesse desencadear uma guerra comercial com países como a China, por exemplo.
Após Trump manifestar flexibilidade ao assinar o decreto que impõe as tarifas, as ações ganharam algum terreno. Ainda assim, os investidores dizem que a volatilidade continuará elevada no mercado acionário de Nova Iorque, uma vez que incertezas sobre a política comercial de Trump persistem.
Hoje várias notícias corporativas influenciaram movimentos de ações individuais. A Cigna viu seus papéis recuarem 11% após a companhia do setor de saúde informar que pretende comprar a Express Scripts (+8,6%) por US$ 50 bilhões.
Enquanto isso, as ações da rede de supermercados Kroger despencaram 12% após a empresa dizer que seus lucros serão afetados pela expansão da sua plataforma de comércio eletrônico, em meio a concorrência com gigantes como Walmart e Amazon.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia