Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 08/03 às 18h31min

Trump confirma sobretaxa de 25% ao aço importado e 10% ao alumínio

O presidente americano, Donald Trump, confirmou nesta quinta-feira (8), a criação de novas taxas empregadas para a importação de aço e alumínio para os Estados Unidos.
Como já havia adiantado, a nova tarifa é de 25% ao aço importado e de 10% ao alumínio.
Em seu discurso, Trump citou a competição "injusta" da China no mercado de metais. Por outro lado, Trump afirmou que fechou acordo sobre a Nafta, o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio, que isenta México e Canadá das tarifas.
Os detalhes sobre o plano foram divulgados em uma coletiva de imprensa realizada na Casa Branca. O presidente Donald Trump disse que os países podem solicitar por isenções, que serão avaliadas caso a caso pela equipe econômica de Trump.
A medida de Trump de sobretaxar em 25% suas importações de aço é uma promessa de campanha do presidente para a indústria siderúrgica local. A decisão prejudica fortemente as exportações do Brasil, que é o segundo maior fornecedor em volume daquele mercado.
O principal argumento de integrantes do governo brasileiro e da indústria siderúrgica nacional para tentar livrar o produto nacional da limitação é que 80% do que o Brasil exporta para o mercado americano são produtos semiacabados de aço. Ou seja, são insumos para a própria indústria siderúrgica local, que Trump quer proteger. Além disso, dada a complementaridade das cadeias produtivas, o produto brasileiro não representa risco à indústria local, nem à segurança dos Estados Unidos.
Outro ponto levantado pelos brasileiros é que a indústria siderúrgica nacional utiliza carvão americano na sua produção. Ou seja, a restrição prejudicaria os dois lados do comércio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia