Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Siderurgia

Alterada em 08/03 às 15h52min

Trump sinaliza que pode flexibilizar tarifas de aço e alumínio para alguns países

'Eu terei direito de ir para cima ou baixo, dependendo do país', disse Trump

'Eu terei direito de ir para cima ou baixo, dependendo do país', disse Trump


MANDEL NGNAN/AFP/ARQUIVO/JC
Folhapress
O presidente americano, Donald Trump, disse nesta quinta-feira (8) que poderá flexibilizar a imposição de tarifa sobre aço e alumínio importados de alguns países. "Eu fico com os 10% e 25% inicialmente. Eu terei direito de ir para cima ou baixo, dependendo do país, terei o direto de retirar países ou adicionar países", disse Trump.
A fala do mandatário vai ao encontro do que já havia sido dito na quarta pela secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders. Em entrevista, ela afirmou que "há potenciais exclusões para o México e o Canadá e possivelmente outros países também, com base na segurança nacional".
O Brasil, segundo maior exportador de aço para os EUA, seria um dos principais prejudicados com a alíquota de 25% sobre o aço importado, anunciada de surpresa por Trump no dia 1º. No caso do alumínio, a alíquota é de 10%. O governo dos EUA, porém, não mencionou se o Brasil estaria entre as exceções.
A expectativa é que a assinatura da medida, com o detalhamento das tarifas, seja feita até o fim desta semana. O Brasil, assim como outros países, trabalha nos bastidores para tentar convencer os EUA a estabelecer exceções para determinados produtos. A alíquota, na prática, inviabilizaria a exportação de aço brasileiro ao país norte-americano a preços competitivos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia