Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Varejo

Alterada em 07/03 às 20h35min

Ri Happy busca IPO de até R$ 1,3 bilhão neste mês

A varejista de brinquedos Ri Happy, do fundo de private equity norte-americano Carlyle, espera que sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) alcance até R$ 1,3 bilhão. Esse valor considera a colocação de todos os lotes de ações e o preço no teto do intervalo estimado, que vai de R$ 20,30 a R$ 26,30.
Considerando apenas o lote principal e o preço da ação no centro da faixa indicativa, a abertura pode movimentar R$ 860 milhões. Desse lote, 60% corresponde à oferta primária, ou seja, de recursos que irão para o caixa da empresa. O restante, referente à emissão secundária, serão ações vendidas pelo Carlyle. O lote adicional de 20% do principal, se houver demanda, será de ações detidas hoje pelo fundo.
Esse será o primeiro IPO na bolsa brasileira em 2018. A empresa de meios de pagamento Pagseguro, que abriu capital em janeiro, realizou sua oferta apenas na bolsa de Nova York. Já no mês passado a Blau Farmacêutica, que faria seu IPO da B3, suspendeu seus planos após não encontrar demanda juntos aos investidores.
O montante da oferta que será direcionado à Ri Happy será utilizado para a expansão e investimentos em lojas, assim como projetos estratégicos e reforço do balanço e melhoria de capital.
Conforme o cronograma da oferta, as reuniões com investidores vão até o dia 27 de março, quando está marcada a precificação da ação. A listagem ocorrerá no Novo Mercado, segmento de maiores exigências de governança corporativa da B3, sob o código "RHPY3". As ações estão programadas para estrearem na bolsa no dia 29 deste mês.
Depois da Ri Happy, a fila de empresas para abrirem capital na bolsa brasileira é extenso para abril, com ofertas bilionárias como as da operadoras de planos de saúde HapVida e Notredame Intermédica. Ainda com pedido de registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estão a Centauro, Dass, Banco Inter e JHSF Malls. Apenas no mês as ofertas podem superar os R$ 10 bilhões, isso sem considerar as ofertas subsequentes (follow ons). No ano passado as ofertas de ações no Brasil atingiram um volume de R$ 42 bilhões.
Na oferta da Ri Happy coordenam o IPO BTG Pactual (líder), Credit Suisse, Itaú BBA, Bradesco BBI, Goldman Sachs e BB Investimentos.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia