Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/03 às 20h24min

Dólar recua ante rivais em meio a preocupações com possível guerra comercial

O dólar recuou ante moedas rivais nesta quarta-feira (7) mas avançou na comparação com o peso mexicano e o dólar canadense, em meio a preocupações contínuas com o impacto da tarifação das importações de metais anunciada prelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 106,14 ienes, de 106,17 ienes na tarde de ontem; o euro subia a US$ 1,2412, de US$ 1,2407; e a libra avançava a US$ 1,3904, de US$ 1,3888.
A divisa americana vem sendo pressionada por temores de que a tarifação das importações de aço em 25% e das de alumínio em 10%, nos EUA, desencadeie uma guerra comercial.
Hoje, o governo Trump confirmou que o presidente deve assinar um decreto amanhã sobre o assunto. O dólar avançou na comparação com a moeda canadense e com o peso mexicano após o Banco do Canadá citar as preocupações com o comércio internacional como uma fonte de incerteza para a economia.
Citando preocupações com a segurança nacional, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse que, em meio às negociações de revisão de Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), Canadá, México e "outros países", podem ser isentos das tarifas. Mesmo assim, o dólar subiu para 1,2409 dólares canadenses e para 18,7245 pesos mexicanos.
Na Chicago Mercantile Exchange (CME), o contrato da bitcoin para março fechou em queda de 8,07%, a US$ 9.790,00. (Com informações da Dow Jones Newswires)
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia