Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Apostas

Notícia da edição impressa de 08/03/2018. Alterada em 08/03 às 00h25min

Comissão do Senado rejeita o projeto que legaliza jogos de azar

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado rejeitou ontem o projeto que buscava regularizar a exploração dos jogos de azar e autorizar a reabertura de cassinos no País. Após debate de cerca de duas horas, os membros do colegiado derrubaram o relatório do senador Benedito de Lira (PP-AL), que era favorável à proposta.
De acordo com o texto, as atividades de jogos em cassinos como bingos, videojogo e apostas, bem como o jogo do bicho seriam legalizados mediante o recolhimento de impostos e a exploração regular de algo que hoje, segundo os autores, funciona na clandestinidade. Os senadores aprovaram o relatório em separado de Randolfe Rodrigues (Rede-AP) sugerindo a rejeição da medida.
Durante as discussões, o relator afirmou que o projeto poderia, devido à transparência, auxiliar no combate à lavagem de dinheiro. "A legalização também permitirá atendimento aos viciados em jogos que, na clandestinidade de hoje, não têm saída alguma. Se chegar hoje a São Paulo, você vai encontrar muitas casas de bingo lotadas. Lavagem de dinheiro existe hoje porque tudo é feito às escondidas", argumentou Benedito de Lira.
Já os parlamentares contrários à matéria discordaram da tese de que a legalização poderia resultar em impulso econômico e aumento de empregos. "O Congresso Nacional sepultou, em definitivo, este absurdo. Em um momento em que o Brasil debate problemas de segurança pública, aprovar um projeto que facilita ações de tráfico de drogas e armas e vulnerabiliza a saúde dos cidadãos seria o Congresso dar um tiro na própria cabeça", afirmou Randolfe.
Na semana que vem, os integrantes da CCJ devem se reunir novamente para apreciar um novo relatório da matéria, desta vez contrário à aprovação, para que a tramitação do PL seja formalmente encerrada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia