Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

07/03/2018 - 08h25min. Alterada em 07/03 às 11h04min

Governo federal irá centralizar fiscalização de frigoríficos

Medida foi tomada após revelação da Operação Carne Fraca e será detalhada nesta quarta-feira pelo ministro da agricultura

Medida foi tomada após revelação da Operação Carne Fraca e será detalhada nesta quarta-feira pelo ministro da agricultura


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
Na esteira a esteira da operação Trapaça, que teve como alvo a BRF - dona das marcas Sadia e Perdigão - o governo federal vai passar a centralizar a fiscalização de frigoríficos. Em 2017, a Operação Carne Fraca revelou esquemas de corrupção envolvendo empresas e superintendências estaduais da Agricultura. Na terça-feira (6), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, assinou regulamento que redistribui o comando das operações nos Estados para dez unidades do Sistema de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sipoa). Nesta quarta-feira (7), ele pretende oficializar as normas desse novo desenho.
A mudança começou a ser gestada no ano passado, após a primeira fase da Carne Fraca, que detectou esquemas de corrupção entre frigoríficos e as superintendências estaduais, grande parte delas de indicação política. Para reduzir a influência desses superintendentes, a decisão sobre fiscalizações passará a ter mais influência federal.
Essa decisão será detalhada nesta quarta-feira (7) em balanço que o ministro pretende divulgar sobre as medidas para melhorar a produção dos frigoríficos e a fiscalização após a Carne Fraca. Na noite de terça, técnicos passavam um pente-fino nos dados, pois Maggi quer ter certeza que sua equipe apertou os controles.
A intenção é traçar uma linha divisória entre a inspeção sanitária antes e depois da Carne Fraca. Após o escândalo do ano passado, disse o ministro, os frigoríficos envolvidos ficaram sob estrita vigilância. "Subimos muito a régua. Com isso, a ocorrência de salmonelas nocivas em carnes de aves exportadas devem ser apenas 'episódios'", explicou Maggi.
A BRF, que foi o alvo da operação Trapaça, deflagrada anteontem, vinha melhorando processos, segundo o ministro. As notificações de ocorrência de salmonelas por países importadores registravam queda. "É quase um castigo para quem deveria receber um prêmio por ter feito a lição de casa", disse.
Maggi lembrou que, até agora, Europa e Hong Kong pediram informações adicionais, o que ele considera natural. Maggi disse acreditar que não haverá fechamento de mercados à carne brasileira, ao contrário do que ocorreu na Carne Fraca. No momento, três unidades da BRF estão com as exportações suspensas para 12 mercados.
O presidente global da BRF, José Aurélio Drummond, se reuniu nesta terça-feira, 6, por duas horas, com Blairo Maggi, em Brasília. "Tivemos uma conversa técnica bastante importante para esclarecer os eventos", afirmou o executivo, que disse não estar preocupado com eventuais impactos financeiros à companhia.
O mercado financeiro, no entanto, voltou a castigar a BRF. Após perder 19,75% na segunda-feira, a ação da BRF caiu 2,46% ontem, para R$ 24,14. O valor de mercado da companhia encolheu em R$ 500 milhões, para R$ 19,6 bilhões.
Além disso, bancos anunciaram ontem o rebaixamento da avaliação da trajetória futura dos papéis da empresa. Enquanto Drummond negou que a investigação da PF vá trazer prejuízos à empresa, o banco BTG Pactual frisou que o impacto na geração de caixa da companhia deve ser de R$ 400 milhões.
"No ano passado, a BRF registrou perda de R$ 363 milhões associada a custos relacionados à Carne Fraca, e isso ocorreu depois de terem uma planta suspensa", analisou o banco. Eles lembraram que, desta vez, a operação suspendeu três plantas. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia