Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 05/03/2018. Alterada em 04/03 às 19h35min

Cais Mauá

Como porto-alegrense, fico feliz pelo início, finalmente, das obras de revitalização do Cais Mauá. Nasci e me criei em Porto Alegre, sei bem da importância que teve o porto da Capital, até algumas décadas passadas. Criança, com um amigo meu cujo pai era "ajudante fiel do porto", uma espécie de gerente de armazém, ia até lá. Ficava encantado. E, desde o pórtico central do porto, assisti a muitas saídas e chegadas de navios da Marinha do Brasil e grandes navios cargueiros. Além disso, via a procissão fluvial de Nossa Senhora dos Navegantes, com o barco Geni Naval levando a estátua da santinha tão venerada. Finalmente, peço que nas obras de revitalização dos armazéns não tirem as placas que estão em alguns deles assinalando a altura e o dia em que a água chegou, na grande enchente de 1941. São históricas e merecem ficar lá. Lembram uma grande tragédia de Porto Alegre, naquele ano. (Pedro de Albuquerque Brasil, Porto Alegre)
Caos social
Numa democracia cara e improdutiva, os políticos eleitos pelos cabrestos sindicalistas, bolsas paternalistas e cabides de empregos que acolhem tantos que o inchaço da folha de pagamentos públicos não suporta mais. Bilhões de reais desviados e roubados por suas excelências, obras superfaturadas e compras fantasmas que os tribunais de contas fizeram de conta que fiscalizavam. Deu no que deu: a bandidagem entusiasmada com as impunidades e os exemplos das autoridades e cargos importantes (a maioria presos ou com tornozeleiras tomando uísque com a família e amigos) tomou conta e mantém reféns os trabalhadores e pessoas honestas daquele lindo cartão postal e paraíso do turismo (Rio de Janeiro) sob alto risco. (Ramiro Nunes de Almeida Filho)
Previdência
Não gostar da reforma da Previdência proposta pelo governo de Michel Temer (PMDB) é mais do que válido. Mas não se deve usar argumentos absolutamente irreais. Tem gente dizendo que, se cobrar dos devedores (Vasp, Varig, Transbrasil e até da JBS?), tudo estaria resolvido. Ora, a Previdência tem técnicos de carreira, o Ministério da Fazenda idem, então como cobrar de massas falidas? Além do mais, técnicos já disseram que, mesmo que todas as dívidas, cerca de R$ 400 bilhões, fossem pagas amanhã, resolveria o problema previdenciário por seis meses. E depois? (Márcia Paese, Gramado/RS)
Temer
O presidente Michel Temer (PMDB), segundo muitos, passará à história do Brasil como o pior presidente que já tivemos. Mas pondero que, apenas quanto às reformas preconizadas, elas não têm nada de errado. Dentro de dois ou três anos, os brasileiros darão razão não ao político - criticado hoje por quase todos os brasileiros, segundo pesquisas - que gesticula com as mãos muito mais do que convence com palavras, sobre as reformas por ele colocadas em prática. Quem viver, verá. (Naldo de Vasconcellos, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
NEY VIANA DE ALBUQUERQUE 05/03/2018 22h52min
A sonegação fiscal é uma das maiores do mundo. Prejuízo à população é infinitamente maior que o da corrupção. Dinheiro que não é alcançado por ninguém, tão somente o empresário sonegador. SONEGAÇÃO FISCAL, PCC e a quantidade crimes propagados pelas novelas e programas de baixo nível. EXIJA NOTA FISCAL - OPERAÇÃO ZELOTES JÁ.
Francisco Berta Canibal 05/03/2018 06h06min
Quanto ao Caos Social, não é de agora, desde muito se fala sobre a corrupção em nosso País, somente a construção de Brasília já seria suficiente para que o País jamais se recuperasse diante das práticas operacionais ilícitas que ali foram praticadas, segundo consta foram piores do que as práticas operacionais da família real ao chegarem no Brasil em 1808. Agora somente com uma geração de autênticos cidadãos para tirarem esta pobre Pátria neste caos estabelecido por salários de última categoria.