Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 09/03/2018. Alterada em 08/03 às 21h03min

Agora foi

CAIS MAUÁ/DIVULGAÇÃO/JC
A cena pode remeter a alguma obra em algum lugar remoto do interior gaúcho, mas é aqui pertinho mesmo, no Centro de Porto Alegre. Os operários que abrem valas e colocam canos ou retiram outras coisas estão a serviço do projeto Cais Mauá, começando a cavoucar o terreno para as obras de infraestrutura do que deve ser o cartão de visitas da Capital em alguns anos.

Profissão do futuro

Pelo lado que se olhe, há algo de profundamente estranho ou errado no sistema de delação premiada na versão brasileira. O sujeito faz gato e sapato, tira sorvete das criancinhas, rouba quentinha de sem-teto, e sai solto, livre e leve como um passarinho, seja em semiaberto ou em prisão domiciliar. É a forma de chegar aos bandidos, dirão. Pode ser, mas delator, hoje, é quase uma profissão.

Historinha de sexta

Quem das novas gerações vê o lastimável estado em que se encontra a Rua da Praia não faz a mínima ideia de como ela era até a década de 1970. Famílias olhando vitrines domingo à noite para fazer compras durante a semana, os quatro cinemas da rua, o Matheus aberto 24 horas, pessoas caminhando de madrugada por dentro da Praça da Alfândega, o Café Rihan, que no auge chegou a vender até 5 mil cafezinhos por dia...
Os tipos folclóricos do Centro eram conhecidos de todos. Marimbondo; o Homem dos Cachos, que levava uma urna de vidro cheia de cédulas e moedas; a Maria Chorona, que vertia tantas lágrimas que deveria ter uma hidráulica própria; o Xerife, com uma estrela costurada no paletó; o Alfaiate, sempre de terno cheio de dizeres incompreensíveis, de cartola e guarda-chuva; o Doutor Caveira, magérrimo, mas sempre de terno de linho branco impecável, com um cravo vermelho na lapela.
Quando eles desapareceram, a Rua da Praia também começou a morrer. Hoje, é essa coisa medonha que se vê, uma terra de ninguém sem eira nem beira, uma rua que despreza a ordem e o respeito, uma coisa triste de se ver e sem arrumação até onde o radar alcança.
O pior é que ninguém descobriu por que a Maria Chorona chorava o dia inteiro sem parar.

As 24 histórias

"O Hospital da Alegria", "Como eu posso te ajudar" são duas das 24 emocionantes histórias do livro "Metamorfose 5", cujos autores são crianças e adolescentes em tratamento de saúde no Hospital da Criança Santo Antônio, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. A obra, que conta com o apoio da Unicred Porto Alegre, será lançada no dia 13, no Centro Histórico Cultural da Santa Casa.

A alegria dos pequenos

Esse volume contrasta com os pleitos dos pequenos e médios municípios, que, de pires na mão, pedem alguns caraminguás. Meio milhão é um bom dinheiro. Caso de Giruá, que larga foguetes, porque o prefeito Ruben Weimer (PP) conseguiu empenho de R$ 506 mil da Secretaria Nacional da Defesa Civil para construção de duas pontes. Quantas pontes a corrupção levou?

O desvios do grandes

O dinheiro de corrupção e propinas se mede em centenas de milhões e até de bilhões de reais. É o tamanho do dinheiro do chamado "quadrilhão do PT" (R$ 1,48 bilhão em esquemas com a Petrobras). O ministro do STF Edson Fachin enviou para a Justiça Federal a denúncia contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef (matéria na página 15).

Gelo congelado


FERNANDO ALBRECHT/ESPECIAL/JC
Às vezes, o óbvio ululante não é tão óbvio assim. Gelo pode, sim, ser mais frio. Quanto menor a temperatura, mais tempo ele leva para degelar. O único perigo é aparecer um concorrente colocando a frase "Gelo mais frio", seguido de outro com "Gelo muito mais frio". Agora, se aparecer alguém com "Gelo mais frio que a concorrência", então fechou o ciclo de friagens.
 

Miúdas

  • MAIS uma vez, a Capital teve uma manhã terrível no trânsito com os protestos feitos nesta quinta-feira no Centro.
  • CONGESTIONAMENTO e lentidão ultrapassaram folgados o Centro Histórico e chegaram a bairros próximos.
  • ADVOGADO Antônio Augusto Mayer dos Santos lança seu livro Reforma Política dia 27/19h/Saraiva Praia de Belas.
  • INTER contratou atacante que estava na China. Sempre ela. Quando não veio de lá, passou por lá.
  • CHEGA mais uma hamburgueria na Capital, a paranaense Jeronimo Smash Burger (Casemiro de Abreu, 1.224).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Sergio 09/03/2018 08h53min
Fernando, favor não alertar os "contras" do progresso, te lembras das escavações da ampliação da Av. Voluntários da Pátria? Um antigo depósito de lixo virou "sitio arqueológico", deu no que deu, com enormes descobertas tais como: pedaços de xícaras, pratos, panelas velhas e etc.. É a legitima "tirania da minoria". Imagina daqui a um século escavarem o antigo deposito de lixo da zona norte, o antigo lixão!!!!