Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Auxílio-moradia

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 12/03 às 17h26min

Juízes federais gaúchos paralisam no dia 15

Os juízes federais do Rio Grande do Sul vão paralisar as atividades jurisdicionais nesta quinta-feira, 15 de março. Em consulta realizada pela Associação dos Juízes Federais do Rio Grande do Sul (Ajufergs), a maioria dos magistrados federais gaúchos - 147 de um total de 180 votantes - decidiu pela suspensão das atividades.
A paralisação tem o objetivo de demonstrar a insatisfação da categoria com a decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, de julgar ações que tratam do pagamento de auxílio-moradia a juízes federais. O tema deve ser analisado em plenário no dia 22 deste mês.
A entidade defende a mesma posição da Associação do Juízes Federais do Brasil (Ajufe), de que a Corte amplie a discussão, definindo quais são os pagamentos constitucionais devidos a todos os magistrados brasileiros, e não apenas aos federais. O presidente da , o juiz federal Gerson Godinho da Costa, defende a manutenção da verba, sob o argumento de que está previsto em lei.
"O que queremos é uma regulação da situação como um todo. Nós só recebemos o auxílio-moradia, mas outras categorias recebem outros benefícios. A decisão da ministra passa para a sociedade uma imagem dos juízes federais como sendo marajás, e isso não é justo", reforçou.
Costa ainda garante que não se trata de uma greve, já que a paralisação deve ocorrer somente no dia 15. A Justiça Federal deve funcionar em regime de plantão, portanto, casos urgentes não devem ficar desassistidos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia