Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Notícia da edição impressa de 19/02/2018. Alterada em 18/02 às 19h52min

Energia renovável esbarra na falta de incentivos

Fonte fotovoltaica teve crescimento expressivo nos últimos anos

Fonte fotovoltaica teve crescimento expressivo nos últimos anos


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Adriana Lampert
Ainda que já existam algumas iniciativas voltadas ao uso de energias renováveis no País, o Brasil - ao priorizar a visão monoenergética, baseada nas hidrelétricas - está bastante atrasado para virar a chave e adentrar de vez neste universo.
A avaliação é da doutora em Energia Solar Fotovoltaica, Aline Cristiane Pan, coordenadora do Seminário de Energias Renováveis na Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente (Fiema Brasil). A feira irá acontecer de 10 a 12 de abril no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. "O Brasil não pode depender de uma única fonte de energia, é preciso diversificar a matriz energética para podermos continuar crescendo como sociedade", adverte Aline.
Segundo a coordenadora do seminário, que será realizado no dia 11 de abril, das 8h às 16h30min, questões políticas e falta de incentivos governamentais têm emperrado o avanço do País na utilização de energia a partir de fontes renováveis. Embora com certo atraso, o Brasil tem registrado índices crescentes no uso de energias renováveis. Em 2013, possuía apenas nove empreendimentos que utilizavam energia fotovoltaica como suporte, número que saltou para 4.517 nos três anos seguintes. "Nada cresce tanto em energias limpas no País como a fotovoltaica", destaca Aline, reforçando que o número de conexões dessa geração cresceu 98% desde 2014. "A energia eólica também pode melhorar o desempenho, e já representa 7% de toda a eletricidade produzida no Brasil", observa. Segundo Aline, o Rio Grande do Sul é um dos estados que mais geram este tipo de energia, somando 68 parques eólicos, que produzem 1, 7 mil megawatts.
Aline destaca que o debate terá como tema Oportunidade e Aplicabilidade para as Energias Renováveis, abordando cenários, licenciamento, aplicabilidade e políticas de incentivo e energias hídrica, biogás e biometamo, solar e eólica. O seminário terá 50 palestrantes nacionais e internacionais, vindos de países como Finlândia, Alemanha, México e Uruguai. Os debates estão programados para ocorrer em quatro auditórios distintos e a expectativa é de reunir 3,6 mil pessoas durante os três dias do evento.
"A ideia é reunir a cadeia produtiva do meio ambiente, com foco no fortalecimento da legislação e em busca de oportunidades de negócios no Estado, principalmente envolvendo resíduos de saúde (gerados em hospitais, farmácias e laboratórios) e os urbanos", explica a diretora executiva da Fundação Proamb, responsável pela realização da Fiema Brasil, Marisa Cislaghi. "Além de exigirem soluções urgentes em termos ambientais, muitos destes resíduos podem ser reciclados e utilizados para produção de energia, no entanto é necessário enfrentar as barreiras burocráticas, que geram muitas incertezas", comenta.

Expectativa é receber 10 mil visitantes em três dias do evento

A oitava edição da Fiema Brasil terá outros cinco eventos paralelos, voltados para discussões sobre recursos hídricos, resíduos sólidos, e tecnologias ambientais. Um deles, o 6º Congresso Internacional de Tecnologias para Meio Ambiente, reunirá acadêmicos e pesquisadores que irão apresentar pesquisas e estudos científicos, destinados ao desenvolvimento de soluções em gestão ambiental. Organizado em parceria entre a Universidade de Caxias do Sul (UCS) e a Fundação Proamb, o congresso terá como tema central Inovação com Sustentabilidade em Tempos de Mudança. Durante o evento, estudantes irão apresentar trabalhos técnicos com foco em química ambiental, recuperação de áreas degradadas e recursos hídricos.
Outro momento importante, segundo Marisa Cislaghi, será o 6º Seminário Brasileiro de Gestão Ambiental na Agropecuária - "um dos grandes desafios do País, já que está entre os gigantes do setor no mundo", destaca Marisa. "O encontro é uma oportunidade de avançar nas discussões acerca de problemas como contaminantes e resíduos e debater os antídotos para detê-los, como maior utilização de biocombustível, produção orgânica e depósito de agrotóxicos." A gestora da Fundação Proamb destaca que o encontro - que ocorre dias 11 e 12 - conta com parceria da Embrapa, IFRS-BG e Sindicato Rural, e apoio da Emater.
Com previsão de reunir 200 expositores e receber 10 mil visitantes, a Fiema Brasil ainda contará com o 1º Seminário Internacional de Resíduos Industriais e Urbano, o 5º Seminário de Segurança do Trabalho, o 4º Meeting Empresarial e o 2º Seminário de Energias Renováveis, este último com foco na diversificação da matriz energética brasileira. Além de tratar sobre licenciamento e políticas de incentivo, serão abordadas as energias hídrica, biogás e biometano, solar e eólica. A programação será no dia 11 de abril, entre 9h e 16h30min.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Luciano Konzen 20/02/2018 09h59min
Um pouco pobre e desonesta a declaração de que energias renováveis esbaram na falta de incentivos e falta de políticas governamentais. Apenas para referir, já há isenção de IPI, PIS/Cofins sobre painéis fotovoltaicos, e isenção de ICMS sobre comercialização de sistemas fotovoltaicos e sobre energia gerada por eles, no sistema de compensação, em quase todos os estados da federação, através de um convênio Confaz. Há, de fato, carência de financiamentos mais acessíveis e melhores para pessoa física