Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 09/02 às 18h40min

Dólar sobe para R$ 3,29 e atinge maior valor em 2018 com volatilidade externa

A volatilidade global fez o dólar atingir o maior valor do ano ante o real nesta sexta-feira (9), ao fechar a sessão na casa dos R$ 3,29. Além do fortalecimento da moeda americana no exterior, o tombo nos preços do petróleo pesou sobre o câmbio doméstico. Outro fator que gerou cautela foi o fato de que, por causa do feriado de carnaval, o mercado local ficará fechado até o início da tarde da quarta-feira de Cinzas, enquanto os negócios continuarão normalmente no resto do mundo. Com isso, muitos investidores preferiram comprar dólares.
O dólar à vista fechou em alta de 0,48%, a R$ 3,2954. É o maior nível desde 28 de dezembro, último pregão de 2017, quando terminou cotado a R$ 3,3155. O giro foi de US$ 1,232 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,2687 (-0,33%) e, na máxima, R$ 3,3188 (+1,20%). Na semana, a moeda americana acumulou valorização de 2,46%.
De acordo com Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso, diante do forte aumento da volatilidade e do tombo nos mercados acionários nesta semana, os investidores continuaram em busca por segurança. "No caso do Brasil, ninguém vai querer ficar exposto ao risco durante tantos dias durante o carnaval", comentou Galhardo.
José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, avaliou, também em relatório, que, para o curto prazo, "a situação é muito delicada". "Mas os sinais são de que o mercado global vai acalmar e teremos recuperação dos preços dos ativos. Este ainda é nosso cenário base", escreveu.
No campo doméstico, o foco são as negociações em torno da reforma da Previdência, apesar de o mercado já precificar a não aprovação da proposta no Congresso este ano.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia