Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/02 às 16h41min

BoE alimenta percepção de aperto de BCs e Bolsas da Europa fecham em queda forte

As bolsas da Europa encerraram o pregão desta quinta-feira (8) em queda forte, movimento ocorrido por mais um dia de correção nos mercados internacionais e pela percepção de que os principais bancos centrais do mundo vão apertar ainda mais a política monetária. A visão foi, inclusive, acentuada pela decisão do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) de manter os juros inalterados, mas de sinalizar que pode aumentar mais vezes as taxas do que o projetado anteriormente pelo mercado.
O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou a sessão em queda de 1,60%, aos 374,03 pontos.
A possibilidade de juros mais altos no futuro nas principais economias globais ganhou um ingrediente de peso nesta quinta-feira. Mesmo mantendo as taxas inalteradas em 0,50% ao ano, o BoE sinalizou que pode apertar mais vezes e em ritmo mais rápido do que previa no final de 2017.
Ponderando que, antes de reiniciar o aperto dos juros será necessário esperar os desdobramentos do Brexit, os analistas da corretora CityIndex avaliaram que está aumentando a probabilidade de duas elevações de taxas pelo BOE em 2018. "Isso traz a possibilidade de que aumento dos juros em maio e outro potencialmente em novembro", escreveram.
Juros mais altos alimentam a procura por moeda e títulos soberanos, provocando a saída de bolsas. E foi o que ocorreu nesta quinta. A declaração do BoE levou a libra ao nível de US$ 1,40. O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, recuou para 7.170,69 pontos (-1,49%).
"A valorização da libra é particularmente para os ativos de risco hoje, tendo em vista esses movimentos adversos de câmbio e o contexto global frágil para as ações, dado os recentes declínios recentes", comentou, em nota enviada a clientes, o analista David Cheetham, da corretora britânica XTB UK.
O temor de que o eventual aperto monetário do BoE se some ao do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) fez as demais bolsas europeias caírem.
A Bolsa de Paris recuou para 5.151,68 pontos (-1,98%), a de Frankfurt cedeu para 12.260,29 pontos (-2,62%), a de Madri caiu para 9.756,30 pontos (-2,21%) e a de Milão terminou em 22.466,80 pontos (-2,26%).
Em Lisboa, o índice PSI-20 perdeu 1,16%, encerrando em 5.377,99 pontos. A ação que mais caiu foi a da Pharol, com baixa de 4,91%. A companhia entrou nesta quinta-feira com dois recursos na Justiça contra plano de recuperação da Oi.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia