Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Carlos Pires de Miranda

De Olho na tevê

Notícia da edição impressa de 27/02/2018. Alterada em 26/02 às 21h03min

Sem centroavante não vai

Um: não foi a melhor, apenas a primeira boa atuação de Jael, enfrentando uma zaga simpática, como a do Novo Hamburgo. Dois: reconheço que se ele bate pênaltis como bateu sábado e na decisão da Recopa, certamente tem qualidades. Três: a negociação com André perdeu-se na poeira da pedida do Sport, absurda para os padrões brasileiros. Quatro: nem a soma desses fatores transforma Jael em solução. Ele até pode evoluir, mas o Grêmio precisa contratar: estreia na Libertadores hoje, em um grupo fácil, que a falta de um finalizador pode tornar traiçoeiro.
Para o Gauchão, reservas devem bastar
Sim, o Grêmio de sábado era um time de reservas. Mas não de desconhecidos: quase todos ou já foram titulares, ou pelo menos disputaram posição. Menos um, justamente o melhor em campo: Thonny Anderson, autor das melhores jogadas tricolores ao longo dos 90 minutos. Há que ter calma, jovens têm direito a oscilar e nem sempre o adversário será o Novo Hamburgo, que este ano não é sequer uma sombra da equipe campeã gaúcha de 2017. Mas que a torcida teve motivos para se entusiasmar com Thonny, isso não se discute. Ainda em ritmo de festa.
Algum colorado satisfeito?
Contra o Remo foi como se previa: o Inter sofreu demais, embora a pobreza técnica do adversário. O festejado gol da redenção de Damião é daqueles que a avó da gente faria, tomara que baste para erguer seu moral. Domingo, Odair Hellmann montou um time alternativo, recheado de jogadores que começaram cheios de prestígio e se foram esvaziando aos poucos. Acabaram confirmando seu retrospecto: jogaram pouco, quase nada e o heroico São Luiz de Ijuí transformou o goleiro colorado no maior destaque em campo. Quinta-feira tem o Cianorte, da Série D do Brasileirão.
E agora, Tite?
Em três dias sairá a convocação para amistosos da seleção contra Rússia e Alemanha, nos dias 23 e 27 de março. Última antes da Copa, deverá lançar luzes sobre as sete vagas que restam, além dos 16 nomes que estão garantidos, todos jogando na Europa. Ninguém se poderá queixar de falta de observação: Tite e sua comissão acompanharam até mesmo treinos de equipes com potencial para ceder jogadores. Três estão no Grêmio: Arthur, Geromel e Luan. Ainda há Fágner, seu eterno reserva Edilson, todos no Brasil, mais Talisca, do Besiktas, e Malcom, do Bordeaux.
Pitacos
Em meio à euforia da Recopa, a opinião deste especialista: o pênalti decisivo foi mal batido, ficou fácil a Grohe defender. Méritos maiores têm os cinco gremistas que acertaram todas as cobranças. A propósito: jogar três horas e meia e não vencer um Independiente (com dez em boa parte do tempo) é pouco. Preocupante. A maior façanha do Cianorte, que encara o Inter: em casa, fez 3 a 0 sobre o Corinthians de Tevez, Mascherano etc. Foi em 2005, também pela Copa do Brasil. No jogo de volta, levou 5 a 1.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 27/02/2018 08h54min
A BARQUINHO DO INTERNACIONAL REMOU, REMOU E NÃO AFUNDOU!!! O barquinho do Colorado partiu meio desacreditado aqui do ancoradouro do Rio Guaíba na zona Sul de Porto Alegre, e rumou para ir pescar lá na distante Belém do Pará. Graças a Deus o time não sofreu tanto no seu longo percurso, e nem precisou implorar a Jesus Cristo para buscar os jogadores no meio da tempestade, devido à possibilidade de afundar antes e durante a partida, por falta de fé. Jogar contra o Remo sempre será complicado devido à copa do mundo que criam, mas saímos vencedores e não poderia ser diferente, devido o tamanho dos times. Foi uma grande vitória e isto que importa no momento. Já que a nossa barca não afundou precocemente, notei que a Fafá de Belém não cantou a linda música VERMELHO depois do jogo, para saudar a grandiosa pescaria de dois GOLS a um para o Internacional. O objetivo foi alcançado e isto será ótimo para todo o grupo, porque terá mais Copa do Brasil, e o espírito fortalecido, e não posso esquecer-me de reforçar, que o astral dos jogadores precisa estar sempre abençoado, entrosado fora e dentro do campo, Amém. Quem tem fé não afunda. Vamo que vamo nesta levada também no Gauchão. Abs. Dorian Bueno, POA, 27.02.2018nn