Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reestruturação do Estado

Alterada em 19/01 às 16h15min

Servidores da FEE cobram governo sobre manutenção de serviços e acervo da estatal

Funcionários dizem que governo ainda não demonstrou como os trabalhos terão continuidade

Funcionários dizem que governo ainda não demonstrou como os trabalhos terão continuidade


FREDY VIEIRA/JC
Os servidores da Fundação de Economia e Estatística (FEE) do Rio Grande do Sul divulgaram, na tarde desta sexta-feira (19), uma moção em que cobram publicamente dos dirigentes da estatal e do governo do Estado esclarecimentos sobre a continuidade dos estudos e serviços da FEE e a manutenção do seu acervo após o fim das atividades da fundação.
No comunicado, a Associação dos Servidores da FEE (Asfee) diz que, a menos de três meses da data determinada para a extinção, o governo estadual ainda não demonstrou como garantirá a continuidade dos serviços públicos prestados pela entidade e o acesso a seu acervo de dados e documentos, e solicita que seus dirigentes expliquem “de forma cabal e detalhada” como acontecerão tais processos.
Procurada, a Secretaria Estadual de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), que coordena a Comissão de Modernização do Estado, informou que os estudos e levantamentos de indicadores mais relevantes produzidos atualmente pela FEE serão distribuídos entre setores do Estado, conforme a demanda do governo. O Produto Interno Bruto, por exemplo, ficará à cargo da própria Secretaria de Planejamento.
Quanto ao acervo da instituição, a SPGG garantiu que os itens e documentos históricos seguirão disponíveis para consulta no edifício onde hoje funciona a fundação, também sob administração da pasta.
A extinção da FEE foi aprovada pela Assembleia Legislativa em dezembro de 2016 e sancionada no início de 2017 pelo governador José Ivo Sartori (PMDB), no pacote que determinou o fim das atividades de outras oito fundações públicas, uma empresa e uma autarquia.
Desde então, os servidores têm se mobilizado na defesa dos serviços prestados pela estatal e ingressaram na Justiça para impedir as demissões. Em novembro, o Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e de Fundações Estaduais do Estado (Semapi) conseguiu uma liminar que suspende a demissão de trabalhadores com mais de três anos de atividades prestadas à instituição.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia