Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 07 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 08/01/2018. Alterada em 07/01 às 22h23min

Bolsonaro fecha acordo com PSL e movimento Livres deixará sigla

Em mais uma movimentação para garantir sua candidatura à presidência da República, o deputado federal pelo Rio de Janeiro Jair Bolsonaro, atualmente filiado ao PSC, anunciou na sexta-feira que vai ingressar no PSL. Essa nova orientação desfaz acordo anteriormente firmado com o PEN, que inclusive havia encaminhado pedido de mudança do nome para Patriota, uma das condições impostas por Bolsonaro para disputar a eleição pela sigla.
O presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE), afirmou que foi "firmado um acordo com o presidenciável Jair Bolsonaro". Um encontro entre os dois confirmou a disposição de Bivar em "ceder" a legenda para o deputado. Segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto na corrida presidencial, Bolsonaro foi acusado pelo presidente do PEN, Adilson Barroso de Oliveira, de quebrar "palavra de honra" dada ao partido.
O anúncio de que Bolsonaro ingressará no PSL não agradou a parte do partido ligada ao movimento Livres e, no mesmo dia, lideranças orientaram os membros a encaminharem sua desfiliação. Fabio Ostermann, um dos fundadores do Livres e presidente do PSL no Rio Grande do Sul, confirmou o desembarque e informou ao Jornal do Comércio que o grupo definirá o rumo nos próximos dias.
O Livres surgiu com a proposta de renovação dentro do PSL, mas, nas palavras de Ostermann, "é mais que a filiação partidária". Existem agora duas possibilidades ao movimento: manter-se independente e suprapartidário ou orientar seus integrantes a ingressar a um novo partido político. "Estamos sendo contatados por outros partidos interessados em contar conosco", informou Ostermann, sem revelar quais são. "De imediato, já anunciamos a saída do PSL."
"Não poderia ficar mais claro o nosso rechaço ao Bolsonaro e ao que ele representa, do que essa nossa medida em sair. O Livres tomou uma rasteira destes conchavos", afirma Ostemann.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia