Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

PARTIDOS

05/01/2018 - 20h30min. Alterada em 06/01 às 00h32min

Movimentação para trazer Bolsonaro ao PSL se enquadra na velha política, afirma Ostermann

Para Fabio Ostermann, filiação de Bolsonaro é fruto de um conchavo

Para Fabio Ostermann, filiação de Bolsonaro é fruto de um conchavo


CLAITON DORNELLES /JC
Fabio Ostermann, um dos fundadores do movimento Livres e presidente do PSL no Rio Grande do Sul, criticou o anúncio da filiação do presidenciável Jair Bolsonaro ao partido, com vias de disputar a eleição. "Esta movimentação para trazer o Bolsonaro se enquadra na velha política, que respira por aparelhos", afirmou o político, ex-candidato a prefeito de Porto Alegre, em entrevista ao Jornal do Comércio.
"O Livres tomou uma rateira destes conchavos", afirmou. O Livres é um movimento de renovação do PSL, que defende o social-liberalismo. Por este motivo o grupo não se alinha ao pensamento do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), focado num discurso nacionalista e conservador.
Segundo Ostermann, a orientação é que todos os membros do movimento solicitem a desfiliação do partido. Nos próximos dias, o grupo deve se reunir para definir quais serão seus próximos passos. O Livres pode se manter como um movimento independente suprapartidário ou mesmo orientar seus integrantes a se associar a uma novo partido político.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia