Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 03 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 04/12/2017. Alterada em 03/12 às 21h29min

PIB do Brasil cresce apenas 0,1% no terceiro trimestre

A economia brasileira registrou no terceiro trimestre sua terceira alta seguida. Entre julho e setembro, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1%. Apesar de modesto, o número foi bem recebido pelo mercado. Um dos motivos do otimismo é que o IBGE revisou os números do primeiro e do segundo trimestres, e concluiu que a economia cresceu mais que o anunciado anteriormente. Dessa forma, entre janeiro e março, o PIB passou de 1% para 1,3% de alta. Entre abril e junho, foi de 0,2% para 0,7%.
Além disso, alguns indicadores sinalizam que a retomada do crescimento começa a ganhar consistência. No terceiro trimestre, os investimentos, por exemplo, registraram a primeira alta (1,6%) ante o trimestre anterior, após 15 quedas seguidas. O consumo das famílias, impulsionado pela melhora no mercado de trabalho, entre outros fatores, repetiu o ritmo de crescimento (1,2%) do segundo trimestre. Com esse cenário, o mercado já fala em alta do PIB no ano até superior a 1%.
"O índice de difusão do PIB, que calcula quantos segmentos cresceram, tem acelerado nos últimos trimestres, e hoje quase 80% dos diversos segmentos estão crescendo, número semelhante ao que se tinha antes da crise", disse o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale. Na comparação com o terceiro trimestre de 2016, a alta foi de 1,4%, melhor desempenho desde o início de 2014.
No acumulado de janeiro a setembro, a economia cresceu 0,6%, número comemorado pelo governo. "Esse número já supera a previsão inicial dos economistas para 2017", disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. De fato, em janeiro, a projeção dos analistas ouvidos no Boletim Focus, do Banco Central, era de crescimento de 0,5% no ano.
A perda de ritmo de crescimento ao longo do ano (de 1,3% para 0,7% e, agora, 0,1%) se deveu, em grande parte, ao desempenho da agropecuária, cujo avanço foi concentrado no primeiro semestre - no terceiro trimestre, caiu 3%. Isso ocorre porque as principais safras do País, como soja e milho, são colhidas na primeira metade do ano. Mas, no acumulado de 2017, a agropecuária continua como o grande destaque, ressaltou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.
Para a economista Monica de Bolle, a economia pode mesmo ganhar alguma tração agora, mas há fatores que devem limitar isso. "Os ruídos políticos nem começaram. Não sabemos ainda o tamanho da disputa eleitoral (de 2018) e não temos noção do seu impacto sobre a economia."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia