Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de julho de 2017. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo do Estado

Notícia da edição impressa de 03/07/2017. Alterada em 02/07 às 21h25min

Nova programação da FM Cultura estreia com divergência

Inicia-se hoje a nova grade de programação da rádio FM Cultura, emissora pública mantida pela Fundação Piratini. As mudanças de horário e de conteúdo estão sendo gerenciadas por Paulo Inchauspe, novo diretor da rádio. Contudo, as novidades são criticadas pelos servidores da emissora.
Entre as alterações estão o deslocamento de algumas atrações dentro da grade horária, a troca de nomes de programas e do perfil musical que apresentam. Conhecida pelo espaço dedicado à produção local e nacional, o novo formato amplia a possibilidade de reprodução de músicas de artistas internacionais.
O texto que anuncia a nova programação foi publicado no site do governo e alega que a mudança foi construída com participação dos funcionários. O presidente da Fundação Piratini, Orestes de Andrade Júnior, informa que foi criado um grupo de trabalho para estruturar a mudança, que pretende renovar a audiência da emissora.
Já o Movimento dos Servidores da TVE e FM Cultura publicou, em sua página no facebook, uma nota em afirma não ter participado da construção da nova programação e questiona a legalidade do ato, que dependeria da aprovação do Conselho Deliberativo da entidade.
Os servidores também contestam a contratação de profissionais externos para a apresentação de programas, em um momento que o governo alega falta de recursos. A Fundação Piratini é um dos órgãos cuja extinção foi aprovada a partir do pacote de reestruturação do Estado proposto pelo governador José Ivo Sartori (PMDB) no fim do ano passado. As extinções não foram concretizadas por decisão judicial, que exige negociação coletiva entre as partes antes da demissão dos servidores celetistas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia