Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de julho de 2017. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Notícia da edição impressa de 03/07/2017. Alterada em 02/07 às 20h46min

Mansueto pede que Congresso aprove TLP

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, usou seu perfil no Twitter para pressionar o Congresso pela aprovação da Medida Provisória que cria a nova taxa de juros de longo prazo (TLP).
Ele afirmou que distorções que ocorreram no passado no mercado de crédito foram provocadas pelo aumento de subsídios e poderão começar a ser corrigidas com a nova taxa, que substituirá a TJLP. O prazo de vigência da MP 777, que ainda precisa ser apreciada por uma Comissão Mista no Congresso, foi prorrogada no final do mês passado e agora vence no início de setembro.
Mansueto mencionou o demonstrativo de benefícios financeiros e creditícios da União de 2016, destacando que um total de R$ 39 bilhões da conta de subsídios no ano passado decorreu da atuação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). "Se quisermos diminuir a conta de subsídios é essencial aprovar a nova TLP que está no Congresso", afirmou em sua conta no Twitter. "Essa deveria ser a pauta da direita e da esquerda", escreveu na rede social.
A MP que cria a TLP foi publicada no final do mês de abril no Diário Oficial da União com o objetivo de acabar com os subsídios implícitos do Tesouro Nacional nos financiamentos do Bndes. A TLP começará valendo o mesmo que a TJLP, mas convergirá em até cinco anos para um valor de mercado - com base na inflação e nos títulos do próprio Tesouro.
O secretário de Acompanhamento Econômico enfatizou ainda que taxas de juros estruturais mais baixas devem ser alcançadas com o equilíbrio fiscal. "Subsídios devem ser exceção", afirmou.
"Subsídios são necessários para projetos de retorno social maior que retorno individual e respeitando restrição orçamentária", postou Mansueto na rede social. "No Brasil, de 2008 a 2014, se usou subsídios para tudo e até mesmo para compensar regras de concessão mal elaboradas", disse.
Mansueto ponderou ainda que considera normal a existência de uma política industrial nos governos e citou exemplo dos Estados Unidos. Para o secretário, no entanto, não é normal governo dar muitos subsídios à custa do aumento excessivo da dívida pública para fomentar empresas já estabelecidas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia