Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de julho de 2017. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 03/07/2017. Alterada em 02/07 às 17h38min

Preocupante irresponsabilidade

Wilen Manteli
O atual episódio envolvendo a concessão da freeway é mais uma lamentável comprovação da incúria que grassa nos diversos escalões da administração pública brasileira que tem tudo a ver com a crítica situação em que nos encontramos, marcada por uma profunda recessão da qual resultou até agora um imenso contingente de 14 milhões de brasileiros desempregados.
Além do tráfego na autoestrada propriamente dito, há a preocupante questão do içamento do vão móvel da ponte do Guaíba. Segundo informações, são realizadas operações de içamento a cada dois dias em média para permitir a passagem de embarcações de porte transportando produtos tais como GLP para o terminal da Petrobras e matérias-primas para o Polo Petroquímico. Quer dizer, todos produtos essenciais para a continuidade operacional das nossas indústrias e para o abastecimento de gás à população. Diante da importância do tema, mesmo que aparentemente o pior tenha sido evitado com a prorrogação, nos últimos 45 minutos do jogo, da concessão da rodovia por 12 meses, é inadmissível o desleixo tanto do governo federal como do estadual.
Se contássemos com administradores efetivamente responsáveis, as providências para o equacionamento deste verdadeiro imbróglio já deveriam ter sido adotadas há pelo menos dois anos atrás. Na verdade, temos também culpa porque confiamos nesses políticos e gestores públicos, achando que cumpririam com as suas obrigações. A sociedade tem que fiscalizá-los de forma permanente para que façam a sua parte. Deixando-os soltos, temos o abandono da coisa pública, como se vê.
Presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários - ABTP
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia