Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de julho de 2017. Atualizado às 21h59.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Empreendedorismo

Notícia da edição impressa de 03/07/2017. Alterada em 30/06 às 18h56min

Em 2016, obter crédito foi mais difícil para empresas familiares

De um ano para cá, as empresas familiares brasileiras passaram a se preocupar menos com o aumento no custo dos insumos e mais com a obtenção de crédito e a incerteza política e econômica. A conclusão é da auditoria KPMG.
A porcentagem de empresas que tiveram dificuldade de acesso a financiamento nos seis meses anteriores aumentou de 37% para 43% em relação ao ano anterior. "As instituições financeiras passaram a exigir mais garantias reais e fazer avaliações de crédito mais detalhadas, sendo mais rigorosas", avalia Sebastian Soares, sócio da KPMG no Brasil.
O estudo converge com pesquisa da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) que afirma que, entre indústrias que buscaram crédito em 2016, 56,7% encontraram condições piores que no ano anterior. A principal forma de captação de recursos das empresas familiares, segundo a KPMG, são empréstimos e financiamentos bancários (64%), seguidos de investimentos dos próprios proprietários (24%).
Na primeira pesquisa, feita no final de 2015, a inflação havia fechado o ano em 10,67%. A segunda foi um ano depois, pós-impeachment, com cenário de baixa inflação e expectativa de fim da recessão.
Pela mudança no cenário econômico, a alta nos preços perdeu importância entre as empresas, com inflação passando de principal preocupação de 34% das empresas para apenas 9%. Outro sinal de otimismo é que 70% estão confiantes em relação ao futuro da empresa, ante 42% da pesquisa anterior.
Empresas familiares são as que têm uma ou mais famílias no controle, de qualquer tamanho. "No Brasil, as empresas querem continuar sendo familiares, diferentemente dos Estados Unidos, onde a primeira ideia é vender o negócio", diz Sidney Ito, também sócio da consultoria.
A pesquisa analisa ainda a quantidade de reuniões de conselho de administração - mais de 10 por ano, em 53% das empresas -, sinal de independência da gestão. No Brasil, 53% das empresas familiares têm um conselho de administração. Na Europa, são 73%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia