Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 00h15.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 25/05/2017. Alterada em 24/05 às 20h20min

São 90 anos de associativismo rural

Tarso Teixeira
O mês de maio coincide com uma celebração histórica para a formação da própria identidade cultural, social e econômica rio-grandense. Neste dia 24 de maio, foram comemorados os 90 anos da fundação da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), a mais antiga federação de produtores do Brasil e, com toda justiça, uma das mais fortes, por representar a força de centenas de sindicatos e associações rurais gaúchas, fruto do dinamismo e da vitalidade de um agronegócio que orgulha o Brasil e o mundo. Fruto das ideias empreendedoras e dinâmicas de um gabrielense que, décadas antes, semeou e criou associações rurais nos principais municípios do Estado e do País - o embaixador e pensador Joaquim Francisco de Assis Brasil -, a Farsul nasceu, de fato no 2º Congresso de Criadores do Rio Grande do Sul, no Theatro São Pedro, em encontro coordenado pelo então presidente do Estado, Borges de Medeiros.
Trinta associações rurais então existentes - entre elas, a de São Gabriel - se tornaram fundadoras da federação. A unidade de esforços dos produtores rurais, ao longo de nove décadas, tem sido fundamental nos momentos de crise e adversidade, que ao longo desta história, não foram poucos. Mas a Farsul comemora seu Jubileu de Álamo, em um dos momentos mais difíceis para o associativismo rural na história do Brasil. O Congresso Nacional, no afã de sufocar a drenagem de recursos das centrais sindicais de trabalhadores para objetivos de natureza política e partidária, deliberou pela extinção do imposto sindical. Em vez de incrementar a fiscalização para impedir o uso irregular do recurso, foi-se embora a criança com a água do banho. As instituições patronais do meio rural, que passarão agora a ter de restringir muitos serviços, num País com consciência associativa ainda muito escassa. Seria o fim? De forma alguma. É possível que o meio sindical patronal passe por mudanças profundas, mas enquanto houver lideranças rurais organizadas, continuarão ecoando as firmes sentenças de Borges de Medeiros, ditas há 90 anos: "Criadores, associai-vos! Individualmente e isolados, continuareis fracos e impotentes. Mas organizados e unidos pela solidariedade e cooperação, sereis uma força invencível".
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel e vice-presidente da Farsul
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia