Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 12h58.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 25/05/2017. Alterada em 24/05 às 21h16min

Ética na política

O ser humano pode se encontrar numa situação histórica de não ver nenhum motivo para continuar a esperar. No entanto, os cristãos, para além de todos os desafios, não podem permitir que lhe roubem a esperança.
O Brasil vive uma crise política e ética que preocupa parcela considerável da sociedade. Torna-se sempre mais clara a necessidade de urgente promoção e defesa da ética na política. A vigilância e a participação efetiva de todas as forças da sociedade nesse processo há de contribuir para resgatar a confiança nessa nobilíssima atividade humana, a qual cuida do bem comum.
Diante das recentes e contínuas denúncias de corrupção envolvendo alguns homens públicos brasileiros, o sentimento de muitos é de espanto e indignação. Os valores manipulados pela prática da corrupção alcançam cifras que a maioria da população não consegue imaginar. Os números tornados públicos indicam frieza e cálculos orientados por princípios aéticos. Trata-se de uma calculabilidade que não é capaz de colher a medida justa e plena da ação ética.
A corrupção política trai os princípios da moral e as normas da justiça social. Ela distorce a função das instituições representativas de um estado de direito, porque usa tais instituições como terreno de barganha política entre solicitações clientelares e favores dos governantes. Por isso, as denúncias apresentadas exigem certamente exemplar, rigorosa e rápida apuração pelas competentes instituições da sociedade organizada, observado o princípio do estado de direito.
"Na vida pública, na política, se não houver a ética, uma ética de referimento, tudo é possível e tudo se pode fazer", disse o Papa Francisco. A nação precisa encontrar saídas para a atual crise que respeitem e fortaleçam o estado democrático de direito.
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil publicou, na última semana, uma nota, na qual afirma que "a superação da grave crise vivida no Brasil exige o resgate da ética na política que desempenha papel fundamental na sociedade democrática. Urge um novo modo de fazer política, alicerçado nos valores da honestidade e da justiça social". A nota continua, recordando o que fora afirmado durante a Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, celebrada recentemente em Aparecida: "O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre os interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos da corrupção".
Diante do quadro político brasileiro, pode ser de auxílio recordar o que diz a Doutrina Social da Igreja: "Para os fiéis leigos, o compromisso político é uma expressão qualificada e exigente do compromisso cristão ao serviço dos outros. A persecução do bem comum em um espírito de serviço; o desenvolvimento da justiça com uma atenção particular para com as situações de pobreza e sofrimento; o respeito pela autonomia das realidades terrenas; o princípio de subsidiariedade; a promoção do diálogo e da paz no horizonte da solidariedade; são estas as orientações em que os cristãos leigos devem inspirar sua ação política. Todos os que creem, enquanto titulares de direitos e deveres de cidadãos, estão obrigados a respeitar tais orientações; aqueles que têm encargos diretos e institucionais na gestão das complexas problemáticas da coisa pública, seja nas administrações locais, seja nas instituições nacionais e internacionais, deverão tê-las especialmente em conta".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 25/05/2017 10h02min
J&F X TRABALHADORES X BRASIL X POLÍTICOS! Recebi nesta semana uma msg sugestiva para que eu re-transmitisse ela para o maior número de pessoas da minha rede social. Ainda foi reforçado que quanto mais brasileiros fizessem isto, conseguiríamos quem sabe atingir o objetivo de evitar comprar os produtos da REDE da JBS por este Brasil a fora. Falou que seria a melhor forma de recuperar os bilhões de reais tirados de nós pela sapiência empresarial desta organização mundial, que pelos acordos com a justiça vai devolver somente alguns milhões pelo acerto feito e que isto seria uma esmola. Sinceramente eu não passei adiante, até mesmo por que não acredito que os empresários deste conglomerado de empresas sejam tão culpados por tudo que está acontecendo no Brasil desde a sua existência. Foram competentes para fazer crescer muito mais as vossas empresas dentro das regras do Brasil e do Exterior. Eu não vou deixar de usar o chinelo de dedo que me deixa com os pés mais confortáveis, de comer quanto for possível um corte da carne diferenciada independente se for suíno, bovino ou de frango, levar para a mesa e devorar com um café com leite bem quentinho a minha fatia de pão com patê mais a margarina que é minha prima, deixar de remontar com os meus condimentos preferidos a pizza que eu compro quando está em promoção, e depois sair por aí feliz e limpo com a minha consciência. O que adianta eu mudar de marcas ou tentar boicotar elas causando mais transtorno, principalmente para os trabalhadores destas empresas, que com certeza perderão os seus empregos por ser demitidos por falta de produção e venda dos produtos. Enquanto eu tiver um trabalho digno e um salário mesmo que não seja de dois dígitos com muitos zerinhos, não vou deixar de comprar, comer e vestir o que eu gosto. É como mudar o voto em cada eleição. Não votarei naquele político da eleição passada que nem quis apertar a minha mão depois de eleito, mas votarei no amigo dele que também já está tão viciado no sistema e não percebi. O meu voto nunca mudou o PAÍS por ser obrigatório. Quem sabe nas próximas eleições seja facultativo para quem querer votar, consiga escolher POLÍTICOS com a cara do POVO, ou seja, TRABALHADOR E HONESTO? Quem sabe um dia os nossos times de governantes possam jogar melhor junto com o POVO. Não querendo espiritualizar tudo, mas o mestre Jesus Cristo e os profetas que o antecederam, já haviam tido essa revelação de como os governantes e mais especificamente o homem se corromperia. O Brasil vai precisar se renovar com FÉ e fortalecer para poder seguir em frente. Não podemos deixar de sonhar !!! Que Deus Abençoe através da sua justiça e misericórdia o nosso Espirituoso, Maravilhoso e Político Brasil, Amém !!! Abs. Dorian Bueno, POA, 25.05.2017nn