Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de abril de 2017. Atualizado às 17h32.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

19/04/2017 - 17h29min. Alterada em 19/04 às 17h34min

Comandante do Exército ataca 'aguda crise moral' em condecoração de Moro

Moro fez um cumprimento rápido de temer durante a cerimônia no comando do Exército

Moro fez um cumprimento rápido de temer durante a cerimônia no comando do Exército


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
Agência Globo
Na cerimônia em que o juiz Sérgio Moro foi condecorado com a Ordem do Mérito Militar, o comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, falou que o País passa por "incontáveis escândalos de corrupção" e "aguda crise moral". Nesta quarta-feira, o presidente Michel Temer foi ao Quartel General do Exército para a solenidade do Dia do Exército. "A aguda crise moral, expressa em incontáveis escândalos de corrupção, nos compromete o futuro", declarou o general, que criticou a sobreposição de "lutas por interesses pessoais e corporativos" ao interesse nacional.
"Esse momento tão grave não pode servir a disputas paralisantes", emendou, logo antes de dizer que "não há atalhos fora da Constituição". Moro e Temer cumprimentaram-se rapidamente. O relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin, também estava na lista de agraciados com a comenda mais alta do Exército, mas não compareceu, assim como o colega Luis Roberto Barroso.
Ao ser abordado pela imprensa, Moro disse apenas que só falaria nesta quarta-feira sobre o Dia do Exército, "seguindo o protocolo". No ano passado, Temer faltou à solenidade, e o Palácio do Planalto foi representado por Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil. Desta vez, Temer veio só. Padilha é um dos oito ministros com pedido de inquérito pela lista de Fachin na semana passada. Nenhum deles foi à cerimônia.
Temer foi citado em dois inquéritos, mas não será investigado porque o presidente não pode ser alvo de investigação por atos anteriores ao mandato. Na primeira fila da tribuna de autoridades também estavam os deputados Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e Eduardo Bolsonaro (PSC-SP). Pai e filho ostentavam a medalha do Pacificador no paletó, recebida em edições anteriores da cerimônia. Os dois parlamentares não economizaram nas fotos durante o evento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia