Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 15h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/03/2017 - 15h05min. Alterada em 15/03 às 15h07min

Bolsas da Europa sobem, apoiadas em petróleo e de olho em Holanda e Fed

As principais bolsas europeias fecharam na maioria em alta nesta quarta-feira (15) beneficiadas pelo avanço do petróleo e do cobre. Além disso, a sessão foi marcada pela expectativa antes da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), nesta tarde, e também do resultado eleitoral da Holanda. A exceção nos mercados foi a bolsa de Lisboa, que teve leve baixa.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,44% (+1,61 ponto), a 375,10 pontos.
Depois do fechamento europeu, investidores têm expectativa pelo anúncio do Fed. A expectativa quase consensual no mercado é de que o BC americano decida elevar os juros em 0,25 ponto porcentual, mas todos monitorarão as projeções atualizadas e também a entrevista coletiva da presidente do Fed, Janet Yellen. Na arena política, os olhares se voltam para a Holanda, onde há eleições parlamentares. O voto é visto como um teste sobre o risco de o populismo ganhar força na União Europeia, o que poderia ameaçar até mesmo a própria existência do bloco. O término da votação está previsto para 17h (de Brasília).
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,15%, em 7.368,64 pontos. Entre as mineradoras, Anglo American, Antofagasta e BHP Billiton subiram 1,23%, 2,28% e 0,75%, respectivamente. Entre os papéis mais negociados, Lloyds subiu 0,56% e Barclays avançou 0,42%.
Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,18%, a 12.009,87 pontos. Entre os bancos alemães, Commerzbank subiu 2,02% e Deutsche Bank teve alta de 0,88%. Daimler avançou 0,31% e Siemens teve alta de 0,37%. Adidas avançou 2,3%, após a fabricante de materiais esportivos prever crescimento de quase 50% em suas vendas na América do Norte até 2020.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve ganho de 0,23%, para 4.985,48 pontos. Total e Technip tiveram alta de 1,5% e 1,7%, respectivamente. Já Accor teve queda de 0,42%.
Em Milão, o índice FTSE-MIB subiu 1,21%, para 19.774,02 pontos. Entre os bancos, Intesa Sanpaolo subiu 1,07% e Banco BPM teve alta de 2,63%, enquanto a petroleira ENI avançou 1,38%. O papel da Fiat teve ganho de 1,93%.
O índice IBEX-35, da bolsa de Madri, fechou em alta de 0,79%, para 9.983,20 pontos. Santander subiu 1,36%, Bankia avançou 3,22% e Banco Popular Español teve ganho de 2,09%. No setor de energia, o papel da Repsol subiu 1,24%, mas Iberdrola caiu 0,19%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 contrariou o movimento geral e caiu 0,17%, a 4.572,64 pontos. Altri caiu 1,42% e Jerônimo Martins teve baixa de 0,26%, embora Banco Comercial Português e EDP Renováveis tenham avançado 0,57% e 0,31%, respectivamente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia