Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 13 de novembro de 2016. Atualizado às 14h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 10/11/2016. Alterada em 09/11 às 22h28min

Frente fará oposição à eventual privatização da CEEE

Iniciativa parlamentar busca prevenir venda da companhia estatal

Iniciativa parlamentar busca prevenir venda da companhia estatal


FERNANDO C. VIEIRA/CEEE/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Não são de hoje os rumores que o Grupo CEEE pode novamente ser submetido a um processo de privatização (no governo de Antônio Britto, dois terços da área de distribuição da companhia foram repassados para outras empresas). Como uma forma de se precaver de uma movimentação nesse sentido, foi lançada ontem, na Assembleia Legislativa, a Frente Parlamentar pela Manutenção e Fortalecimento do Grupo CEEE, que será presidida pelo deputado estadual Ciro Simoni (PDT).
O pedetista comenta que a mobilização é semelhante à adotada na formação da Frente Parlamentar pela Renovação das Concessões do Setor Público de Energia Elétrica, quando a estatal buscava a prorrogação do seu contrato de concessão. Conforme Simoni, a iniciativa não significa a garantia que uma privatização do Grupo CEEE esteja descartada, porém, se um processo dessa natureza for deflagrado, haverá uma forte ação contrária à venda da companhia. O deputado acrescenta que, apesar do foco neste momento ser a defesa da concessionária de energia, a Frente também poderá agir na preservação de estatais como a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás), Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Corsan. "Entendemos que essas empresas prestam um serviço fundamental para a sociedade", enfatiza Simoni.
Para a formação da Frente Parlamentar pela Manutenção e Fortalecimento do Grupo CEEE, foram reunidas 28 assinaturas de deputados. Entre as primeiras medidas que serão tomadas pelo grupo está a realização de um manifesto ressaltando a importância de manter a companhia pública. Outra ideia é difundir, na Câmara dos Deputados, em Brasília, e em outras Assembleias Legislativas o conceito da manutenção das estatais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Antônio Carlos 11/11/2016 19h41min
Será um absurdo. O estado bancará uma conta altíssima com salários de aposentados que recebem dos cofres da empresa. Levará para o buraco a Fundação CEEE, o que desassistirá toda classe eletricitária, inclusive das privadas. E, na prática, não entrará quase nada para os cofres do estado.
Fabrício Barcellos Aguirre 10/11/2016 15h03min
O RS é o melhor estado para as pessoas se informarem como piora a situação quando há privatização. Houve piora no atendimento, queda de qualidade no serviço e aumento do número de acidentes (inclusive fatais) nas empresas que controlam as áreas de concessão privatizadas da CEEE. Basta se informar com pessoas que moram nas cidades em que a CEEE sofreu com este processo.