Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de setembro de 2016. Atualizado às 11h03.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 02/09/2016. Alterada em 02/09 às 11h05min

Frases e personagens

Presidente nacional da OAB, Cláudio Lamachia

Presidente nacional da OAB, Cláudio Lamachia


MARCO QUINTANA/JC
"A chama da indignação contra os desvios na gestão da coisa pública não pode ser apagada. O debate político e a crítica a respeito da condução do Estado devem ser constantes. Só assim os tomadores de decisão saberão que suas ações são rigorosamente acompanhadas e fiscalizadas pelos verdadeiros donos do poder, as cidadãs e os cidadãos brasileiros." Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.
"Todo direito é acompanhado por deveres. O direito de votar é acompanhado pela obrigação de bem escolher os candidatos e controlar permanentemente os eleitos. Quem foi escolhido para representar a sociedade deve guardar coerência com as ideias e discursos que motivaram sua eleição. Cabe ao eleitorado exigir que isso ocorra." Também Claudio Lamachia.
"O impeachment de presidente da República implica necessariamente em inabilitação para ocupar cargos públicos. Na votação do Senado, ficou decidida a perda do mandato, mas foi mantida a possibilidade de Dilma Rousseff ser nomeada para cargo da administração pública. Votei dessa forma em 1992, em mandado de segurança proposto pela defesa do ex-presidente Fernando Collor depois do impeachment sofrido no Congresso Nacional." Celso de Mello, ministro decano do STF.
"A votação fatiada do processo de impeachment é, no mínimo, bizarra e não passa na prova dos 9 do jardim de infância do Direito Constitucional. O resultado do julgamento de Dilma Rousseff abre precedente que preocupa e pode repercutir negativamente nas cassações de mandatos de deputados, senadores e vereadores." Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE),
"Foi uma traição política do PMDB apoiar a manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff. Tomaram esta decisão e nem nos avisaram. A solução proposta rasga a Constituição." Cássio Cunha Lima (PB), líder do PSDB no Senado.
"É só boataria, não haverá corte de férias, nem 13º ou prejuízo aos aposentados." Eliseu Padilha (PMDB), ministro-chefe da Casa Civil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia