Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de julho de 2016. Atualizado às 08h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

terrorismo

20/07/2016 - 08h52min. Alterada em 20/07 às 08h53min

Hollande diz que 15 feridos em Nice estão "entre a vida e a morte"

A forensic expert evacuates a dead body on the Promenade des Anglais seafront in the French Riviera city of Nice on July 15, 2016, after a gunman smashed a truck into a crowd of revellers celebrating Bastille Day, killing at least 84 people. Authorities said they found identity papers belonging to a 31-year-old French-Tunisian citizen in the 19-tonne truck, and that the driver had fired a gun several times before police shot him dead.

Até o momento, o atentado na Promenade des Anglais deixou 84 mortos


BORIS HORVAT / AFP/JC
Agência Brasil
O presidente da França, François Hollande, afirmou nesta quarta-feira (20) que 15 feridos no ataque da última quinta-feira (14) em Nice ainda estão "entre a vida e a morte". Até o momento, o atentado na Promenade des Anglais deixou 84 mortos, mas o balanço pode se aproximar de 100 vítimas fatais, caso pessoas internadas em estado grave não consigam escapar.
Também nesta quarta-feira, a Assembleia Nacional, câmara baixa do Parlamento francês, aprovou a prorrogação do estado de emergência no país por mais seis meses. A medida está em vigor desde os atentados de 13 de novembro, que mataram 130 pessoas em Paris, mas deveria ser encerrada em 24 de julho, não fosse o ataque em Nice.
Ela aumenta os poderes da polícia para efetuar mandados de busca e prisões e valerá, pelo menos, até janeiro de 2017, se o país não for alvo de mais nenhuma operação terrorista. "Para responder à ameaça, devemos mais do que nunca fazer prevalecer nossa coesão nacional. O povo francês deve permanecer unido na mesma resposta", disse Hollande.
O ataque em Nice foi cometido por Mohamed Lahouaiej Bouhlel, um franco-tunisiano de 31 anos, que dirigiu um caminhão em alta velocidade sobre uma multidão que assistia à queima de fogos de artifício em comemoração à Queda da Bastilha, data nacional da França. O atentado foi reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia