Porto Alegre, quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016. Atualizado às 23h27.
Dia do Atleta Profissional.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9340 3,9360 0,63%
Turismo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
Paralelo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 11/02/2016. Alterada em 10/02 às 21h49min

O Carnaval e o poder público

Rogério Brodbeck

Tenho visto inúmeras manifestações, notadamente nas redes sociais, mas também na imprensa, a respeito da suspensão dos festejos de Carnaval em Pelotas. E tal cancelamento se deu não apenas em Pelotas, mas em várias outras de nosso Interior, com os prefeitos alegando que a folia pública não constitui prioridade de governo em um período de crise financeira por que passa o País.
E desde já declaro solenemente meu apoio a tais suspensões. E não é de hoje que assim penso. O Carnaval, mesmo sendo festa popular, não deve nem precisa de apoio financeiro do erário. O futebol também é de apelo popular e nem por isso o município aloca recursos aos clubes.
Sou adepto do Estado mínimo, ou seja, meta-se o poder público com o que lhe concerne basicamente: educação, saúde pública, segurança pública, infraestrutura. O restante, que a iniciativa privada tome a frente, devendo o Estado apoiar no que lhe competir, notadamente nos quesitos segurança pública - quando em locais públicos, obviamente - e infraestrutura (água, luz, limpeza pública, socorros de urgência etc.). O patrocínio de desfiles de Carnaval de rua com a alocação de verbas públicas a entidades privadas que têm o ano inteiro para arrecadar recursos para isso é um despropósito e um flagrante desvio de finalidade. Que me perdoem meus amigos carnavalescos - e os tenho vários e todos em alta conta -, mas dinheiro público não é para ajudar a vestir pierrôs e colombinas ou destaques e carros de escolas de samba e assemelhados.
Façam como fizeram os blocos no desfile que ocorreu no sábado pelas ruas centrais de nossa Princesa. Saiam batucando, cantando, pulando, de forma ordeira como foi, fantasiados ou à paisana, se divertindo sem ficar de olho na grana pública. Peçam auxílio ao Estado para controlar, desviar, interromper o trânsito (incluídos as alternâncias do transporte coletivo e individual de passageiros), prover a segurança Pública.
Se quiserem espetáculo, recorram à tal de Lei Rouanet para angariar recursos de patrocinadores que não negarão apoio ao evento, à guisa de incentivo à cultura. E o façam com antecedência, com planejamento, com detalhes, com competência, enfim. Mas não com o dinheiro dos nossos tributos. Isso seria um desperdício.
Jornalista e advogado, Pelotas/RS
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Pra não dizer que não falei das flores A moda do empreendedorismo Opinião Econômica: Fracasso Vivemos a revolução do conteúdo

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo