Porto Alegre, quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016. Atualizado às 23h28.
Dia do Atleta Profissional.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9340 3,9360 0,63%
Turismo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
Paralelo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Campanha da fraternidade Notícia da edição impressa de 11/02/2016. Alterada em 10/02 às 21h26min

CNBB alerta para a importância do saneamento básico

JONATHAN HECKLER/JC
Dom Jaime (e) lamenta que o tema seja deixado de lado pelos políticos

Isabella Sander

Lançada ontem, a Campanha da Fraternidade de 2016 busca falar sobre um tema pouco visível, mas que afeta a todos: o saneamento básico. As atividades deste ano ficarão a cargo do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Esta edição traz o tema "Casa Comum, nossa responsabilidade", e tem como lema "Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca".
Segundo o arcebispo de Porto Alegre, dom Jaime Spengler, o saneamento é de responsabilidade do poder público, mas, como não gera votos, muitas vezes é deixado de lado. "Infelizmente, as decisões políticas costumam ser guiadas pelo populismo e pela corrupção. Por isso, queremos fazer a nossa parte e colaborar com a construção de uma casa comum mais justa e igualitária, pois o modelo de sociedade de hoje ameaça essa casa comum", enfatiza.
A campanha visa incentivar discussões acerca do abastecimento dos municípios com água potável, do controle de pragas e da drenagem de águas pluviais, entre outras questões. Entre as atividades previstas, estão a participação em espaços de estudo e debate, a promoção de assuntos ligados à sustentabilidade em escolas, a busca pelo conhecimento sobre as estruturas legais disponíveis para essa temática e o resgate da conscientização sobre o reuso.
Conforme Edson Costa, assessor das Pastorais Sociais do Conic, 84% dos municípios gaúchos têm água potável, mas, por outro lado, somente 12% do esgoto é tratado. Em Porto Alegre, o percentual é de 16%. "Um grande desafio é mostrar a relação entre a falta de saneamento básico e muitos problemas de saúde. O Brasil é a sétima maior economia do mundo, mas ainda tem esgoto a céu aberto ao lado de onde as crianças brincam", relata. Na opinião de Costa, a Igreja tem papel fundamental na divulgação de questões como essa, pois chega a locais onde nenhuma ou quase nenhuma instituição chega.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo